Sustentabilidade: o papel da arquitetura e ações do dia-a-dia para a redução de consumo energético

A sustentabilidade é um tema bastante discutido nos últimos tempos. Isso porque os cuidados com o meio-ambiente tornaram-se uma preocupação generalizada e cada vez mais a prioridade de todos.

ARQUITETURA SUSTENTÁVEL

Ao pensarmos num projeto de arquitetura sustentável para uma nova edificação, deve-se ter em conta uma proposta que otimize os recursos naturais e, minimize ao máximo os danos causados à natureza durante a construção; para tal os materiais utilizados têm de ser de origem natural, aplicados de forma consciente.

Similar estratégia deve ser tomada no caso de remodelações de imóveis existentes, que têm de passar por um exercício de melhoria das condições construtivas do ponto de vista do conforto e modernização dos espaços, mas também do seu desempenho energético.

O arquiteto desempenha um papel fundamental neste processo, conforme referido pela equipa da spacelovers "os projetos e obras, para além das restrições financeiras, condicionamentos legais, têm a obrigatoriedade ética e moral de fomentar uma construção sustentável e adotar soluções que reduzam o impacto ambiental."

Assim, o fornecimento local e a aplicação de materiais existentes no local da obra são fundamentais para reduzir a pegada ecológica com a transformação e transporte das matérias-primas.

A escolha dos materiais, em fase de projeto, acarreta assim um conhecimento das explorações de materiais, de empresas / profissionais locais, num pensamento coletivo onde a estratégia passa também por aplicar materiais que têm uma vida útil longa. Desta forma, importa sempre ter presente que as construções podem ser demolidas um dia no futuro, sem prejudicar o meio ambiente, por serem aplicados materiais recicláveis, ou materiais que podem ser reutilizados em outras edificações.

REDUZIR O CONSUMO ENERGÉTICO

A contribuição para a redução do impacto ambiental vem associada à diminuição do consumo de energia. As regulamentações mais recentes de garantir edifícios nzeb, sendo ainda extensíveis a obras de renovação de imóveis existentes, estão a progredir para um parque edificado menos consumidor de energia, mas existe ainda muito trabalho pela frente na descarbonização dos edifícios.

Atualmente, existem inúmeras formas para auxiliar a atingir metas e toca nesse quesito, como a utilização de estratégias de conforto térmico passivo, otimização da iluminação solar, otimização de sistemas e equipamentos, entre outros.

Para ser sustentável, qualquer projeto deve ser:
- Ecologicamente correto do ponto de vista do seu impacto;
- Economicamente viável, não exacerbar nos uso de recursos;
- Dimensionamento aceitável, aqui concebemos que a dimensão de uma edificação deve ser o estritamente necessário para a sua função.

Mas, também precisamos economizar muito mais a água. Os recursos hídricos são cada vez mais escassos e, as políticas de ordenamento de território e de exploração agrícola, tem de mudar as premissas para um cenário de maior seca para gerir este recurso de forma sustentável. Os parâmetros de épocas anteriores não podem ser os mesmos que se aplicam para o presente.

SUSTENTABILIDADE NAS AÇÕES DO DIA-A-DIA

Existem simples aspetos que se podem adotar nas nossas casas, para que possa ter também uma atitude proativa na utilização da sua habitação, nomeadamente:

- desligar o AQS durante o verão, uma vez que não precisamos aquecer a sua água neste período do ano;

- usar ventiladores de ar que ajudam a refrescar os ambientes e gastam menos energia que o ar condicionado;

- minimizar a rega do jardim nos meses de verão;

- usar mais a vassoura que o aspirador, sempre que possível, para reduzir o uso da eletricidade;

- desligar os eletrodomésticos das tomadas ou colocá-los em standby quando não estão em uso (e este ponto inclui os computadores e os portáteis);

- evitar no verão, usar a máquina de secar roupa - aproveite e abuse do sol no estendal;

- sempre que substituir equipamentos e eletrodomésticos, opte sempre pelas classes energéticas A ou A+.

De um modo geral, sempre que equacionar estabelecer uma melhoria na sua casa, deverá considerar reduzir o impacto do seu consumo energético, com soluções de produção de energia para autoconsumo, como os painéis fotovoltaicos. Poderá ainda aproveitar os benefícios dos programas de incentivo com a redução do IVA para 6% e comparticipação limitada para a aquisição e montagem destes equipamentos.

Para a redução do recurso hídrico, para além da consciencialização diária com as pequenas ações de consumo, poderá sempre adotar equipamentos com redução de caudal e desta forma, o investimento financeiro terá um custo-benefício a longo prazo - assistimos à tecnologia do presente com promessas de ajudar a natureza no futuro."

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de