Fotogaleria

Ele apanha um avião para trabalhar todos os dias

Percorra a galeria de imagens acima clicando sobre as setas.

Um avião, dois carros, 700 quilómetros em seis horas. É este o percurso que Curt faz, todos os dias, de LA a São Francisco, para chegar ao trabalho.

A maioria das pessoas perde muito tempo em transportes, ou no trânsito, de casa para o trabalho, mas imagine se tivesse de percorrer 1400 quilómetros. Todos os dias. O cofundador e diretor de tecnologia da Motiv, uma empresa sediada em São Francisco (EUA), vive a 700 km de distância do seu escritório – o equivalente a uma viagem de carro de 12 horas – e mesmo assim optou por ir todos os dias a casa.

O engenheiro Curt von Badinski, de 42 anos, entra no trabalho às 8h30 da manhã. Até aqui tudo parece normal, não fosse o facto de antes ter feito duas viagens de carro e sobrevoado 568 quilómetros do estado californiano.


Leia também De pobre a rico. Jovem poupou para ser milionário aos 30


O despertador toca às cinco da manhã. Todos os dias, de segunda a sexta-feira. Quinze minutos depois, Curt entra no carro para uma viagem de 12 minutos entre Burbank (a localidade onde vive com a família) até ao aeroporto de Bob Hope, em Los Angeles. À sua espera está um avião comunitário que sobrevoará os céus durante cerca de uma hora e meia até Oakland, na Califórnia. Segue-se depois mais um pequeno percurso de carro, que pode demorar até 40 minutos, rumo ao escritório.

Todos os meses, Curt paga uma mensalidade de 2.300 dólares (cerca de 2 mil euros) para ter acesso a voos ilimitados numa aeronave movida a hélices.

Aproveitar o tempo

Durante a viagem aérea, o empresário usa o seu tempo tanto para trabalhar, como para fazer networking com os restantes passageiros, na sua maioria empreendedores, fundadores de start-ups e profissionais de capitais de investimento.

Quando aterra no aeroporto de Oakland, atravessa o terminal principal, dispensando as habituais inspeções de segurança feitas à maioria dos passageiros. Afinal ele é passageiro habitual e foi submetido, pelas autoridades, a uma verificação prévia de antecedentes criminais. Isto permite-lhe (tanto no aeroporto de Bob Hope como no de Oakland) evitar todos os procedimentos de segurança e embarcar e desembarcar no avião em poucos minutos.

Saído do aeroporto de Oakland, o empreendedor entra no seu segundo carro, um Chevrolet Volt híbrido, atravessa a Bay Bridge, que liga as cidades de São Francisco e Oakland, e parte rumo ao seu escritório. A viagem até ao seu último destino pode durar entre 20 a 40 minutos, consoante o trânsito Percorridos, no total, 700 quilómetros, o cofundador da Motiv chega ao trabalho por volta das 08h30.

Regresso a casa

Às 17h00 Curt está pronto para voltar para casa. Este horário permite-lhe evitar as longas filas de trânsito até ao aeroporto de Oakland, onde o avião o espera às 19h15. Depois de viajar, novamente, pelo estado americano da Califórnia, o empresário chega a casa às 21h.

Aquele que para a maioria das pessoas seria um esforço continuado, para Curt von Badinski esta viagem não passa de uma forma de conciliar tudo o que quer.

“Quero ter tempo e certificar-me que estou a fazer tudo aquilo que for preciso para satisfazer as necessidades da minha empresa. Mas também quero ser capaz de apoiar a minha família, em Los Angeles. Infelizmente, a situação é de tal forma que não posso desenraizar a minha família e trazê-la para São Francisco. Também não posso mudar a empresa para LA, portanto, tenho de me certificar que consigo conciliar ambas as coisas”, justifica o empresário à BBC.

Ao contrário do que se poderia supor, Curt diz que está “sempre animado para começar um novo dia”.

Percorra a galeria de imagens acima clicando sobre as setas.
Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
A administradora delegada da Media Capital, Rosa Cullell (E), acomapnhada pelo CEO da Altice Media, Alain Weill (2-E), do CEO do Grupo Altice, Michel Combes (2-D), e do Chairman e CEO da Portugal Telecom, Paulo Neves (D), fala durante uma conferência de imprensa sobre a compra da Altice sobre o grupo Media Capital,. Fotografia: ANTÓNIO PEDRO SANTOS/LUSA

Compra da TVI pelo Meo pode “criar entraves significativos à concorrência”

O ministro das Finanças, Mário Centeno (E), acompanhado por Carlos Tavares (D), antigo presidente da CMVM, durante a sessão de apresentação pública do relatório do Grupo de Trabalho para a Reforma do Modelo de Supervisão Financeira. (ANDRÉ KOSTERS/LUSA)

Belém e Parlamento terão de validar novo governador do Banco de Portugal

Cristina Casalinho, presidente do IGCP. Fotografia: Diana Quintela/Global Imagens

Casalinho quer alongar pagamento da dívida para evitar picos de reembolsos

Outros conteúdos GMG
Conteúdo Patrocinado
Ele apanha um avião para trabalhar todos os dias