Imobiliário

Casas de 9m² por 13 mil euros tentam travar crise imobiliária

Percorra a galeria de imagens acima clicando sobre as setas.

A cidade mais cara do mundo quer construir “casas-tubos” de modo a aliviar a crescente crise no setor imobiliário.

Em Hong Kong, o preço das habitações atinge valores inimagináveis e incomportáveis. Aliás, a zona mais cara do mundo situa-se nesta Região Administrativa Especial, em The Peak, onde cada metro quadrado chega a custar 16 mil euros, sendo que a cidade foi classificada este ano pela oitava vez consecutiva, a menos acessível do mundo, no que à compra de imóveis diz respeito.

A ideia de criar casas em tubo, com 2,5 metros de diâmetro e uma área plana de 9,29 metros quadrados, apelidadas de O-Pod, surgiu em agosto de 2017 e já existem protótipos desta inovação, e uma habitação deste tipo consegue estar pronta em menos de um mês e custa 15 mil dólares (excluindo o valor do terreno), o equivalente a 12.800 euros.

O arquiteto James Law, responsável por este projeto, confirma o desejo de vir a trabalhar com os governos, proprietários e fabricantes privados, de modo a tornar esta casa acessível ao maior número de pessoas possível. Inclusive já foi contactado por empresas no Havai, Nova Zelândia e África do Sul que demonstraram interesse em apostar nesta proposta.

Leia também: Estas casas poderão ser vendidas por 3 mil euros

“O principal objetivo é construir o O-Pod a um preço competitivo, que permita por exemplo aos jovens, a faixa etária com mais dificuldade na aquisição de residência, avançar com as suas vidas”.

Conheça na fotogaleria em cima este projeto verdadeiramente inovador.

 

Percorra a galeria de imagens acima clicando sobre as setas.
Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
ANDRÉ AREIAS/LUSA

Portos. Partes prontas a negociar, mas em condições muito diferentes

Foto: EPA/FACUNDO ARRIZABALAGA

Cinco impactos do Brexit em Portugal

Frederico Varandas, presidente do Sporting.

(Filipe Amorim / Global Imagens)

Obrigações do Sporting: Juro “caro” é “prémio” para compensar turbulência

Outros conteúdos GMG
Casas de 9m² por 13 mil euros tentam travar crise imobiliária