Tecnologia

Assange quer cooperar com Suécia para evitar extradição para EUA

Julian Assange, fundador do WikiLeaks, à saída de uma esquadra em Londres, Reino Unido, dia 11 de Abril. (REUTERS/Peter Nicholls)
Julian Assange, fundador do WikiLeaks, à saída de uma esquadra em Londres, Reino Unido, dia 11 de Abril. (REUTERS/Peter Nicholls)

Detenção de Assange "cria um perigoso precedente para os órgãos de comunicação social e os jornalistas" em todo o mundo, diz advogada.

A advogada de Julian Assange, Jennifer Robinson, disse este domingo que o fundador do WikiLeaks está preparado para cooperar com as autoridades suecas caso peçam a sua extradição, sublinhando que a prioridade é evitar uma extradição para os Estados Unidos.

Julian Assange está preso em Londres, depois de ter sido detido na quinta-feira na embaixada do Equador em Londres, onde esteve refugiado sete anos.

Assange pediu asilo político naquela embaixada em agosto de 2012 para não ser extraditado para a Suécia, onde era acusado de violação, num caso entretanto arquivado.

O cidadão australiano de 47 anos foi detido devido a um mandado de extradição norte-americano por “pirataria informática”, que será analisado numa audiência judicial a 02 de maio, e a um mandado emitido em junho de 2012 pela justiça britânica por não-comparência em tribunal, um crime passível de ser punido com um ano de prisão.

Ele vai “contestar e combater” o pedido de extradição, declarou à imprensa, após a sua comparência em tribunal, a sua advogada Jennifer Robinson, para quem a detenção de Julian Assange “cria um perigoso precedente para os órgãos de comunicação social e os jornalistas” em todo o mundo.

O australiano é formalmente acusado nos Estados Unidos de associação criminosa com vista a cometer “pirataria informática”, punível com uma pena máxima de cinco anos de prisão, revelou hoje o Departamento de Justiça norte-americano.

É também acusado de ter ajudado a ex-analista dos serviços secretos norte-americanos Chelsea Manning a obter uma palavra-passe para aceder a milhares de documentos classificados como segredos de defesa.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Caixa Geral Depósitos CGD Juros depósitos

Caixa perdeu 1300 milhões com créditos de grandes devedores

Ursula von der Leyen foi o nome nomeado para presidir à Comissão Europeia. (REUTERS/Francois Lenoir)

Parlamento Europeu aprova Von der Leyen na presidência da Comissão

Christine Lagarde, diretora-geral demissionária do FMI. Fotografia: EPA/FACUNDO ARRIZABALAGA

Christine Lagarde demite-se da liderança do FMI

Outros conteúdos GMG
Assange quer cooperar com Suécia para evitar extradição para EUA