Ambiente

Assoociação Zero quer mais zonas sem carros a gasóleo nas cidades

(Paulo Jorge Magalhães/Global Imagens)
(Paulo Jorge Magalhães/Global Imagens)

Dois terços dos europeus estão a favor de zonas nas cidades onde não possam circular automóveis mais antigos ou a gasóleo.

Num estudo feito para a Federação Europeia dos Transportes e Ambiente, a que a Zero pertence, analisam-se resultados da Bélgica, Polónia, Suécia, Hungria, França, Alemanha, Grã-Bretanha, Itália e Espanha.

Em média, dos 500 inquiridos em setembro, 66% estão a favor de restringir o acesso aos centros das cidades a automóveis com altas emissões poluentes, enquanto 68% declaram ser “altamente improvável” virem a comprar um carro a gasóleo.

Em todos os países, mais de metade dos inquiridos apoia zonas de emissões reduzidas nas cidades, destacando-se a Hungria (77%), Itália (74%), Grã-Bretanha (73%). O número mais baixo regista-se na Alemanha, onde o apoio atinge 57%.

Dos inquiridos, só 10% se opõe fortemente a esse tipo de zonas.

A Zero salienta que “98% da população que vive nas cidades europeias está exposta a níveis de poluição prejudiciais para a saúde” e que os veículos a gasóleo são a principal fonte de dióxido de azoto”.

Segundo o último relatório da Agência Europeia do Ambiente divulgado esta semana, a exposição ao NO2 causou a morte prematura de cerca de 79.000 pessoas em 41 países europeus em 2015. Só em Portugal, ocorreram 890 mortes prematuras devido à exposição a este poluente”, indica a associação.

Para a Zero, estes números devem levar mais cidades portuguesas a adotar zonas livres de emissões poluentes, apontando que só existem em Lisboa.

“As Zonas de Emissões Reduzidas são a forma mais rápida e eficaz de reduzir os níveis de poluição provenientes do tráfego rodoviário e esta medida poderia beneficiar as cidades portuguesas onde se têm verificado ultrapassagens aos valores limite de qualidade do ar ao longo de vários anos, como Lisboa, Porto e Braga”, defendem.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
O governador do Banco de Portugal, Carlos Costa. (Fotografia: Mário Cruz/ Lusa)

Carlos Costa: “Não participei nos 25 grandes créditos que geraram perdas” à CGD

Pedro Granadeiro / Global Imagens

Reclamações. Anacom acusa CTT de divulgar informação enganosa

Paulo Macedo, presidente da CGD

CGD cumpre “com margem significativa” requisitos de capital do BCE

Outros conteúdos GMG
Conteúdo TUI
Assoociação Zero quer mais zonas sem carros a gasóleo nas cidades