Coronavírus

Cientistas portugueses tiram dúvidas a miúdos e graúdos pelo YouTube

coronavírus portugal
DR

Imunologistas, virologistas e companhia juntaram-se por videoconferência para esclarecer dúvidas sobre o novo coronavírus a miúdos e graúdos

Alguns cientistas portugueses juntaram-se, numa iniciativa do Instituto de Medicina Molecular João Lobo Antunes, para esclarecer dúvidas da sociedade em geral, numa altura em que cada vez mais pessoas procura perceber o vírus que colocou a maioria dos portugueses isolados nas suas casas.

“Vamos falar de Ciência: SARS-COV2” foi o nome dado à sessão de cerca de mais de uma hora, onde o imunologista Luís Graça e o virologista Pedro Simas iam dando respostas numa conversa moderada pela investigadora Luísa Lopes e a que se juntaram, depois, outros cientistas portugueses.

Os responsáveis da iniciativa admitem mesmo que esta é uma iniciativa para continuar, de forma a divulgar informação precisa e com o esclarecimento de cientistas portugueses e procurando evitar a desinformação que alastra facilmente nas redes sociais.

Pode ver o debate na íntegra:

Sobre os dois principais contribuidores desta sessão:

Pedro Simas, virologista, estuda os mecanismos moleculares usados pelo vírus herpes, envolvidos na modulação do funcionamento celular.

Luís Graça, imunologista, estuda doenças, ou modelos animais de doenças, em que o sistema imunitário tem uma ação inapropriada, tais como autoimunidade, transplantação ou alergia.

Entretanto, o Instituto de Medicina Molecular João Lobo Antunes também tem usado a sua página de Twitter para esclarecer dúvidas sobre o SARS-CoV-2, a sua propagação e efeitos.

 

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
Indústria do calçado. 
Fotografia: Miguel Pereira/Global Imagens

Portugal regressou ao Top 20 dos maiores produtores de calçado

Alexandre Meireles, presidente da ANJE. Fotografia:  Igor Martins / Global Imagens

ANJE teme que 2021 traga “grande vaga” de falências e desemprego

Mina de carvão perto da cidade de Oaktown, Indiana, Estados Unidos. (EPA/TANNEN MAURY)

Capacidade de produção de carvão caiu pela primeira vez

Cientistas portugueses tiram dúvidas a miúdos e graúdos pelo YouTube