Economia

David Byrne animado com Portugal: “Mostrou que austeridade não é resposta”

Músico norte-americano passou por Portugal em julho de 2018 para um concerto no festival EDP Cool Jazz.
Músico norte-americano passou por Portugal em julho de 2018 para um concerto no festival EDP Cool Jazz.

Músico norte-americano publicou um artigo de opinião em que refletiu sobre o caminho percorrido por Portugal nos últimos anos.

O músico David Byrne apontou Portugal como exemplo de que a austeridade não é a única resposta possível à crise económica e financeira global desencadeada em 2008, numa publicação num ‘blog’ pessoal divulgada este domingo.

Há cerca de um ano o músico de 66 anos lançou um blog/newsletter denominado ‘Reasons to be Cheerful’ (Razões para estar animado, na tradução em português), como reação “quase terapêutica”, segundo o próprio, ao clima depressivo diário nas notícias sobre o mundo, e no qual hoje publicou um texto sobre Portugal, dando o país como exemplo de que existe alternativa ao discurso, e à prática, da austeridade como única forma de resposta à crise económica.

“Era a austeridade a única resposta possível à dívida que assolou muitas nações depois da confusão económica mundial após 2008? A resposta, se olharmos para Portugal e alguns outros locais, é não. Por outras palavras, o que nos foi dito — que a austeridade era inevitável e necessária — era mentira. Havia e há outro caminho”, escreveu David Byrne.

No artigo socorre-se de muitos textos publicados na imprensa internacional, sobretudo no The New York Times, para recordar o percurso do país desde o início da crise das dívidas soberanas, que levou a uma austeridade com forte impacte nos salários e nos serviços públicos, que levaram as pessoas “a sentir-se deixadas para trás”.

“As pessoas não se sentiram apenas deixadas para trás, foram deixadas para trás. O resultado foi uma dose razoável de indignação, com expressão política nas divisões e populismos que vemos a crescer em todo o lado”, escreveu David Byrne.

Continuando a apoiar-se na imprensa internacional, o músico fundador dos ‘Talking Heads’ refere depois o momento de inversão que representou a chegada ao Governo de António Costa com o apoio de uma maioria parlamentar de esquerda, que teve como consequência a reversão dos cortes nos rendimentos, a recuperação do investimento público, a redução do desemprego, muito assente na explosão no turismo.

Um clima otimista, que o próprio se recorda de ter vivenciado.

“Isto é tudo muito encorajador. Estive lá na minha digressão mundial e as coisas pareciam estar a explodir… uma das coisas que notámos é que as pessoas se estão a mudar para Portugal… espalhou-se o rumor de que é um bom sítio para viver. Especialmente entre brasileiros, cujo país está a atravessar uma crise. O clima é otimista, o que tem o efeito de estimular o investimento e a inovação”, escreveu Byrne.

Perante o exemplo português, o músico sugere que talvez seja tempo de “economistas e consultores financeiros em todo o mundo começarem a rever as suas políticas e recomendações — resultando em menos dor, menos sofrimento e economias mais saudáveis a nível global”.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Greve de motoristas de matérias perigosas parou o país, em abril. 
(MÁRIO CRUZ/LUSA

Nova greve dos camionistas dia 12. Pré-aviso já foi entregue

Assunção Cristas e Bruno Bobone, na sede da Câmara de Comércio e Indústria Portuguesa, nos Restauradores
(ANTÓNIO COTRIM/LUSA)

Cristas apela a empresários para darem mais força à oposição

Assunção Cristas e Bruno Bobone, na sede da Câmara de Comércio e Indústria Portuguesa, nos Restauradores
(ANTÓNIO COTRIM/LUSA)

Cristas apela a empresários para darem mais força à oposição

Outros conteúdos GMG
David Byrne animado com Portugal: “Mostrou que austeridade não é resposta”