Depois de tirar Portugal de lixo, Moody’s sobe ratings da banca

A agência subiu a notação de quatro dos seis bancos portugueses que avalia.

 

A Moody’s melhorou os ratings da dívida de longo prazo e de depósitos da maior parte dos bancos portugueses, uma decisão tomada após ter tirado a notação da dívida portuguesa de lixo na passada sexta-feira.

A agência melhorou a classificação da Caixa Geral de Depósitos e do BCP, se bem que ainda que em nível especulativo. Subiu as notações de Santander Totta e BPI para patamares mais confortáveis no território de grau de investimento. Para o Montepio manteve o rating mas melhorou a perspetiva. E meteu o Novo Banco sob revisão tendo em vista uma eventual melhoria da nota.

A Moody’s explica, num comunicado divulgado esta terça-feira, que estas melhorias foram motivadas “pela melhoria do rating da dívida pública de Portugal de Ba1 para Baa3 com perspetiva estável”. Como consequência, a agência refere que o enquadramento macro melhorou e destacou a “melhoria do ambiente operacional dos bancos portugueses, particularmente a força económica do país”.

Essa melhoria levou a agência a “rever os perfis financeiros e de crédito individual de todos os bancos portugueses, tendo também em conta o progresso no desempenho de vários bancos”.

As decisões para cada banco

Caixa Geral de Depósitos

A Moody’s subiu o rating da dívida e dos depósitos do banco público em dois níveis de Ba3 para Ba1, a um nível de sair de lixo. A perspetiva é estável o que indica que, com base na informação atual os analistas da agência não preveem novas alterações no médio prazo.

BCP

No caso do banco liderado por Miguel Maya, a Moody’s melhorou a notação para a dívida de longo prazo e para os depósitos em um nível de B1 para Ba3 (a três níveis de sair de lixo). A perspetiva para notação é positiva o que sinaliza novas subidas nos próximos 12 a 18 meses.

Santander Totta

O Santander Totta viu o rating de depósitos reforçado em grau de investimento. A Moody’s melhorou a notação de Baa3 para Baa2 (dois níveis acima de grau especulativo). A perspetiva é estável. Já a notação para a dívida senior de longo prazo saiu de lixo, subindo de Ba1 para Baa3.

BPI

Para o banco controlado pelo CaixaBank, a Moody’s subiu o rating de depósitos de Baa3 (primeiro nível acima de lixo) para Baa1 (três níveis acima de grau especulativo). A agência atribui uma perspetiva positiva, sinalizando novas subidas. Já o rating da dívida senior de longo prazo saiu de lixo, com a subida de Ba1 para Baa2.

Caixa Económica Montepio Geral

Para o Montepio, a Moody’s manteve o rating de depósito e de dívida de longo prazo em B3, o sexto nível de lixo. Mas a agência colocou a perspetiva em positiva. Antes desta decisão estava em desenvolvimento, o que indiciava alguma incerteza sobre o futuro da classificação.

Novo Banco

A Moody’s tinha o rating do Novo Banco sob vigilância. Agora, apesar de não subir a nota, coloca as notações sob revisão tendo em vista eventuais subidas. A agência tem uma classificação de Caa1 (sétimo nível de lixo) para o rating de depósitos e de Caa2 (oitavo nível de lixo) para a classificação da dívida senior de longo prazo.

O que significam os ratings da Moody’s

Aaa

É o rating máximo para a dívida mais segura, como as obrigações alemãs, por exemplo.

Aa1, Aa2, Aa3

Este tipo de dívida tem, segundo a avaliação da Moody’s, elevada qualidade e um risco de crédito muito baixo.

A1, A2, A3

Dívida que a Moody’s calssifica como tendo baixo risco de crédito.

Baa1, Baa2, Baa3

Obrigações que têm risco de crédito moderado. E apesar de serem ainda classificadas como grau de investimento, podem ter algumas características especulativas.

Ba1, Ba2, Ba3

Estas classificações já são vistas como lixo pelos investidores. São obrigações que a Moody’s diz terem um risco de crédito substancial e que julga serem especulativas.

B1, B2, B3

Estas notações são atribuídas a dívida que é considerada especulativa e com risco de crédito elevado.

Caa1, Caa2, Caa3

A Moody’s atribui esta classificação a obrigações consideradas especulativas e que têm um risco de crédito “muito elevado”.

Ca

Estes ratings sinalizam que a Moody’s entende que as obrigações são “altamente especulativas” e que têm probabilidade de entrarem em incumprimento com alguma perspetiva de recuperação de parte do valor investido.

C

O pior rating de todos que é atribuído a entidades que estão em situação de incumprimento.

Atualizada às 16:15 com mais informação

Recomendadas

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de