Coronavírus

Estrangeiros proibidos de entrar em São Tomé e nacionais obrigados a quarentena

9. São Tomé e Príncipe

As medidas de exceção previstas pelo executivo são-tomense pretendem "fazer face à emergência de saúde decorrente do coronavírus".

Cidadãos estrangeiros serão impedidos de entrar em São Tomé e Príncipe e os nacionais e estrangeiros residentes que regressem ao país ficarão obrigados a quarentena, segundo medidas do Governo após a declaração de emergência devido ao surto de Covid-19.

As medidas de exceção previstas pelo executivo são-tomense, liderado por Jorge Bom Jesus, pretendem “fazer face à emergência de saúde decorrente do coronavírus” e constam de um documento assinado pelo ministro da Presidência do Conselho de Ministros e dos Assuntos Parlamentares, Wuando Castro de Andrade, a que a Lusa teve acesso.

O documento do Governo são-tomense prevê ainda o encerramento de todas as escolas públicas e privadas a partir das 18:00 (mesma hora em Lisboa) da próxima sexta-feira, dia 20, ficando ainda proibidas, a partir da mesma data, “todas as concentrações públicas de caráter cultural, recreativo, religioso e lúdico, incluindo o funcionamento das discotecas, ‘fundões’ e festas populares”.

Quanto à proibição de entrada de estrangeiros e obrigatoriedade de quarentena domiciliária aos cidadãos nacionais e aos imigrantes em São Tomé, não é indicada uma data para a sua entrada em vigor.

Outras medidas de exceção previstas são a proibição de aterragem de voos ‘charter’ nos aeroportos de São Tomé e do Príncipe e a acostagem de navios de cruzeiro.

“O abastecimento de materiais e consumíveis hospitalares, em regime de urgência, será acautelado por voos fretados para o efeito, em caso de ausência de voos comerciais”, lê-se no documento, que acrescenta que será proibida a saída dos tripulantes e pessoal de apoio de navios de mercadorias.

Por outro lado, “está autorizada a entrada de missões técnicas e governamentais a convite do Estado são-tomense, sob a condição de apresentação de teste de despiste do coronavírus, efetuado nos aeroportos de origem”.

O Presidente de São Tomé e Príncipe, Evaristo Carvalho, declarou hoje o estado de emergência em saúde em todo o território nacional, por causa do surto do novo coronavírus, que não tem casos registados no país.

Num decreto a que a Lusa teve hoje acesso, o chefe de Estado são-tomense justifica a declaração do estado de emergência em saúde com “a necessidade do emprego urgente de medidas de prevenção, controlo e contenção de riscos, danos e agravos à saúde pública”.

O decreto remete para o Governo as medidas necessárias à sua materialização, sublinhando que as medidas sanitárias que vierem a ser definidas pelo executivo visam “a proteção da coletividade e, quando implementadas, devem garantir o pleno respeito da integridade das pessoas, famílias e a comunidade”.

O coronavírus responsável pela pandemia da Covid-19 infetou mais de 189 mil pessoas, das quais mais de 7.800 morreram.

Das pessoas infetadas em todo o mundo, mais de 81 mil recuperaram da doença.

O surto começou na China, em dezembro, e espalhou-se por mais de 146 países e territórios, o que levou a Organização Mundial da Saúde (OMS) a declarar uma situação de pandemia.

Os países mais afetados depois da China são a Itália, com 2.503 mortes para 31.506 casos, o Irão, com 988 mortes (16.169 casos), a Espanha, com 491 mortes (11.178 casos) e a França com 148 mortes (6.633 casos).

Face ao avanço da pandemia, vários países adotaram medidas excecionais, incluindo o regime de quarentena e o encerramento de fronteiras.

O continente africano tem sido o menos afetado pela pandemia de coronavírus, registando atualmente 418 casos em 30 países.

Egito, com 150 casos, a África do Sul, com 62, e a Argélia, com 60, são os países mais afetados.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
Presidente do Conselho de Finanças Públicas (CFP), Nazaré da Costa Cabral. MANUEL DE ALMEIDA/LUSA

Linhas de crédito anti-covid ainda podem vir a pesar muito nas contas públicas

Fotografia: Fábio Poço/Global Imagens

Apoio a rendas rejeitado devido a “falha” eletrónica

A ministra do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, Ana Mendes Godinho. RODRIGO ANTUNES/LUSA

Só 789 empresas mantiveram lay-off simplificado em agosto

Estrangeiros proibidos de entrar em São Tomé e nacionais obrigados a quarentena