Peru

Família reclamava há 14 anos ser dona de Machu Picchu

machu-pichu

Cerca de quatro mil turistas visitam diariamente as ruínas do Império Inca.

O Supremo Tribunal do Peru deu razão ao Estado peruano num processo em que uma família reclamava ser proprietária de 22 mil dos 35 mil hectares do parque arqueológico onde se situam as ruínas da cidadela inca Machu Picchu.

O tribunal considerou, na segunda-feira, infundada a pretensão da família Zavaleta Zavaleta que queria ser reconhecida como proprietária de parte das terras onde está situada a maior atração turística do país, noticiou a agência Efe.

A família alegava que o Estado peruano tinha expropriado os seus terrenos de forma ilegal e sem qualquer compensação económica.

Além de reclamar a propriedade dos terrenos onde está a rede de caminhos que rodeiam as ruínas, a família também pedia uma indemnização de 45 milhões de dólares (cerca de 40 milhões de euros) como compensação pelos ingressos que os turistas pagaram durante os 14 anos que demorou a resolução do litígio.

O processo foi interposto em 2005 e há 14 anos que decorria o complexo litígio judicial agora concluído em todas as instâncias.

A cidadela de Machu Picchu, uma atração turística a nível mundial, foi reconhecida em 1983 como Património da Humanidade pela Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura (UNESCO, em inglês) e, desde 2007, é considerada uma das Sete Maravilhas do Mundo.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Foto: DR

Parpública avança com venda dos terrenos da antiga Lisnave

Filas de táxis nas chegadas do Aeroporto Humberto Delgado em Lisboa. (Filipa Bernardo / Global Imagens)

Táxis: Câmara de Lisboa quer tarifa única para aeroporto

(Photo by Anthony Behar)

Economia americana cresce 3,2% e supera estimativas dos analistas

Outros conteúdos GMG
Conteúdo TUI
Família reclamava há 14 anos ser dona de Machu Picchu