Tecnologia

Fundador do WikiLeaks recusa consentimento de extradição para os EUA

Julian Assange, fundador do WikiLeaks, na varanda da Embaixada do Equador no Reino Unido, em maio de 2017. (REUTERS/Peter Nicholls)
Julian Assange, fundador do WikiLeaks, na varanda da Embaixada do Equador no Reino Unido, em maio de 2017. (REUTERS/Peter Nicholls)

O fundador do WikiLeaks está sob custódia das autoridades britânicas, após ter sido detido em 11 de abril e ter rejeitado pagar uma fiança.

O fundador do WikiLeaks, Julian Assange, negou hoje perante um tribunal de Londres o consentimento para ser extraditado para os EUA, onde é acusado de crimes por divulgação ilegal de informações através do seu portal.

O processo do pedido de extradição de Julian Assange iniciou-se após este ter sido condenado, na quarta-feira, por um outro tribunal britânico, a 50 semanas de prisão, por ter violado as condições de liberdade condicional a que estava sujeito desde 2012.

“Não quero entregar-me para ser extraditado (para os EUA) por ter feito jornalismo que obteve vários prémios e protegeu muitas pessoas”, justificou Assange, num comunicado hoje divulgado.

Um juiz britânico reconheceu que o processo de extradição de Assange para os EUA pode levar “vários meses”, tendo sido marcadas novas audiências deste caso para dias 30 de maio e 12 de junho.

O fundador do WikiLeaks está sob custódia das autoridades britânicas, após ter sido detido em 11 de abril e ter rejeitado pagar uma fiança.

Desde 2012 e até 11 de abril passado, Assange esteve refugiado na embaixada do Equador em Londres.

Nos EUA, Assange é acusado de conspirar com o antigo soldado americano Chelsea Manning para piratear um computador do Pentágono, de forma a revelar informações comprometedoras sobre a atividade das Forças Armadas norte-americanas, nomeadamente sobre um ataque aéreo em Bagdade, no Iraque, em 2007.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Mário Centeno, ministro das Finanças e presidente do Eurogrupo. Fotografia: EPA/STEPHANIE LECOCQ

Peso da despesa com funcionários volta a cair para mínimos em 2020

26/10/2019 ( Nuno Pinto Fernandes/ Global Imagens )

Conselho de Ministros aprovou Orçamento do Estado

Marcelo Rebelo de Sousa, Presidente da República portuguesa. Foto: REUTERS/Benoit Tessier

OE2020: PR avisa que é preciso “ir mais longe” em matérias como a saúde

Outros conteúdos GMG
Fundador do WikiLeaks recusa consentimento de extradição para os EUA