Guerra comercial

Governo chinês não quer destronar Estados Unidos como potência

Wang Yi, ministro dos Negócios Estrangeiros da Chian. (EPA/JUSTIN LANE)
Wang Yi, ministro dos Negócios Estrangeiros da Chian. (EPA/JUSTIN LANE)

Washington passou a definir o país asiático como a sua "principal ameaça", apostando numa estratégia de contenção das ambições chinesas.

O ministro chinês dos Negócios Estrangeiro afirmou esta quarta-feira que Pequim não pretende destronar os Estados Unidos como potência hegemónica, e que respeitará os interesses norte-americanos, mas defenderá o seu modelo de desenvolvimento, não admitindo interferências.

Wang Yi, que falava à margem de um jantar em Nova Iorque organizado por grupos empresarias e pelo Comité Nacional para as Relações EUA-China, lembrou hoje que o “conflito e confrontação” não levarão a lado algum.

“A China e os EUA não podem avançar um sem o outro”, apontou.

A crescente assertividade da política externa chinesa e a ascensão de Donald Trump nos Estados Unidos ditaram o deteriorar das relações entre as duas maiores economias do mundo.

Washington passou a definir o país asiático como a sua “principal ameaça”, apostando numa estratégia de contenção das ambições chinesas, que ameaça bipolarizar o cenário internacional.

Durante a intervenção na Assembleia Geral das Nações Unidas, na terça-feira, Donald Trump, voltou a atacar as práticas comerciais de Pequim e disse que não aceitaria um “mau acordo” nas negociações comerciais com a China.

Donald Trump referiu que, depois da entrada do gigante asiático na Organização Mundial do Trabalho (OMT), em 2001, ficou provado que estavam “erradas” as teorias que previam que esse desenvolvimento iria “liberalizar” o país asiático e “fortalecer” as proteções comerciais e legais.

“Não só a China rejeitou adotar as reformas que prometeu, como entrou numa batalha económica, depende de enormes barreiras comerciais e de grandes subsídios estatais, recorre à manipulação de moeda, fazem ‘dumping’ de produtos, obrigam à transferência de tecnologias e promovem o roubo de propriedade intelectual”, disse.

Wang Yi defendeu que as negociações para pôr fim à guerra comercial entre Pequim e Washington devem assentar no respeito mútuo e lembrou que uma desagregação entre as duas maiores economias do mundo não é realista: “é como tentar construir castelos no ar”, afirmou.

“Separar-se da economia chinesa, seria como separar-se de oportunidades e do futuro”, apontou.

Wang rejeitou ainda a visão de parte da elite política norte-americana de que a China pretende substituir os Estados Unidos como principal potência mundial, e erguer uma nova ordem mundial.

Trata-se de um “julgamento estratégico errado” e reflete “falta de autoconfiança” em Washington, considerou.

“Procurar a hegemonia não está no nosso ADN”, garantiu.

Wang Yi lembrou que a China é um país em desenvolvimento, ainda muito atrás dos Estados Unidos em riqueza ‘per capita’, índice de desenvolvimento humano e na ciência, tecnologia ou ensino.

“A China não tenciona jogar à Guerra dos Tronos no cenário mundial. Por enquanto, e no futuro próximo, os Estados Unidos são e continuarão a ser o país mais forte do mundo”, disse.

Wang Yi considerou ainda que os dois países precisam de seguir os princípios da não interferência nos assuntos internos um do outro, respeitar a soberania territorial e não tentar moldar o outro à sua imagem, referindo a posição de Washington sobre as questões de Hong Kong e Xinjiang.

“Para assegurar a prosperidade de Hong Kong é necessário rejeitar a violência e respeitar o Estado de Direito”, disse.

“Esperamos que os EUA sejam consistentes nas suas palavras e ações, respeitem a soberania da China e respeitem os esforços do Governo de Hong Kong (…) para parar a violência e restaurar a ordem”, afirmou.

No caso de Xinjiang, Wang também criticou as acusações dos EUA ao tratamento dado pela China à minoria étnica de origem muçulmana uigur, garantindo que a política repressiva de Pequim visa combater o extremismo e o terrorismo.

O secretário de Estado adjunto dos EUA, John Sullivan, deve liderar um painel de discussão sobre a “crise dos direitos humanos em Xinjiang”, durante uma reunião marcada para esta semana na Assembleia Geral da ONU.

Organizações não-governamentais estimam que a China mantém detidos cerca de um milhão de membros da minoria étnica chinesa de origem muçulmana uigure e alguns cazaques, em campos de doutrinação política, na região de Xinjiang.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
Ilustração: Vítor Higgs

Indústria têxtil em força na principal feira de Saúde na Alemanha

O Ministro das Finanças, João Leão. EPA/MANUEL DE ALMEIDA

Nova dívida da pandemia custa metade da média em 2019

spacex-lanca-com-sucesso-e-pela-primeira-vez-a-nave-crew-dragon-para-a-nasa

SpaceX lança 57 satélites para criar rede mundial de Internet de alta velocidade

Governo chinês não quer destronar Estados Unidos como potência