Coronavírus

Governo sueco apela ao teletrabalho até ao fim do ano

teletrabalho videoconferencia trabalho ensino remoto
(Photo by Olivier DOULIERY / AFP)

O Governo da Suécia apelou hoje aos suecos para continuarem a trabalhar em casa pelo menos até ao Ano Novo, numa altura em que o país ultrapassou as 80.000 infeções associadas ao novo coronavírus.

A medida, que visa, em parte, reduzir a promiscuidade nos transportes públicos, destina-se a facilitar as opções, sobretudo para os trabalhadores essenciais num país que atraiu as atenções do mundo com a estratégia adotada para combater a covid-19.

Atualmente, as autoridades sanitárias suecas registam uma baixa no número de novos casos, em particular nos mais graves que necessitam de cuidados intensivos nos hospitais.

No entanto, a Agência de Saúde Pública sueca observou que se os contágios voltarem a aumentar, “há um risco considerável” de um novo surto durante o outono.

“Continuamos a procurar medidas duradouras para pôr em prática, que deem provas de que funcionam a longo prazo para combater a pandemia”, afirmou o epidemiologista-chefe da agência, Anders Tegnell, numa conferência de imprensa.

Desde o início da crise sanitária, a Suécia recenseou 80.100 casos de covid-19, 318 nas últimas 24 horas, o que significa um dos níveis de contaminação por habitante mais elevado na Europa.

No total, a Suécia contabilizou 5.739 mortes associadas ao novo coronavírus, indicaram as autoridades suecas.

O número de novos casos diários levou os países vizinhos a encerrar as fronteiras com a Suécia, rompendo a tradicionalmente forte solidariedade mútua.

Hoje, num comunicado, a Dinamarca anunciou a abertura do país aos cidadãos suecos, mas a Noruega continua a autorizar apenas as viagens essenciais para os habitantes de certas regiões da Suécia e da Finlândia.

Contrariamente a outros países europeus, a Suécia nunca impôs o confinamento à população, com a estratégia a suscitar controvérsia, tendo mantido as escolas abertas para os menores de 16 anos, bem como os cafés, bares e restaurantes.

A pandemia de covid-19 já provocou mais de 667 mil mortos e infetou mais de 17 milhões de pessoas em 196 países e territórios, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
Fotografia: Gerardo Santos/Global Imagens

Economia portuguesa afunda 16,3% entre abril e junho

Visitantes na Festa do Avante.

Avante!: PCP reduz lotação a um terço, só vão entrar até 33 mil pessoas por dia

covid 19 portugal casos coronavirus DGS

Mais 235 infetados e duas mortes por covid-19 em Portugal. Números baixam

Governo sueco apela ao teletrabalho até ao fim do ano