Solidariedade

Mais de 5 mil jovens portugueses inscritos no Corpo Europeu de Solidariedade

Fotografia: Direitos reservados
Fotografia: Direitos reservados

Portugal está no top 5 europeu das nacionalidades com mais inscrições no programa.

Mais de cinco mil jovens de nacionalidade portuguesa inscreveram-se no Corpo Europeu de Solidariedade, um programa lançado pela União Europeia e que se destina a jovens entre os 17 e os 30 anos, foi divulgado, esta quinta-feira.

Segundo a Agência Erasmus+ Juventude em Ação, no âmbito do “Corpo Europeu de Solidariedade”, os jovens podem realizar projetos de voluntariado, no próprio país ou no estrangeiro, em benefício de pessoas e de comunidades de toda a Europa.

Os dados são divulgados a propósito do Dia Internacional da Solidariedade, que se assinala neste dia.

A plataforma europeia que gere este programa recebeu um total de 5.232 inscrições de jovens de nacionalidade portuguesa, número que coloca Portugal no top 5 europeu das nacionalidades com mais inscrições.

Ainda segundo a Agência Erasmus, os jovens portugueses inscritos são dos mais contactados para integrarem projetos relacionados com diversas áreas, nomeadamente com a proteção do ambiente, educação, receção e integração de refugiados ou com a prevenção, preparação e recuperação em caso de catástrofes naturais.

Os jovens podem inscrever-se a partir dos 17 anos, mas só podem participar num projeto depois de fazer 18 anos.

Os projetos apoiados pelo Corpo Europeu de Solidariedade podem durar entre dois e doze meses, decorrendo, regra geral, em países da União Europeia.

Em comunicado a Agência Erasmus explica ainda, que, como resultado da primeira ronda de projetos aprovados – 2018 – quase 1,5 milhões de euros serão investidos em projetos do “Corpo Europeu de Solidariedade”, liderados por organizações portuguesas.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
boris johnson brexit

Brexit: Um acordo que responde “às circunstâncias únicas da Irlanda”

Álvaro Santos Pereira, ex-ministro da Economia, na comissão de inquérito do Parlamento sobre as rendas excessivas da eletricidade, Fotografia: MANUEL DE ALMEIDA/LUSA

Álvaro Santos Pereira ataca “corporativismo” de notários, advogados e arquitetos

Álvaro Santos Pereira, ex-ministro da Economia, na comissão de inquérito do Parlamento sobre as rendas excessivas da eletricidade, Fotografia: MANUEL DE ALMEIDA/LUSA

Álvaro Santos Pereira ataca “corporativismo” de notários, advogados e arquitetos

Outros conteúdos GMG
Mais de 5 mil jovens portugueses inscritos no Corpo Europeu de Solidariedade