Há mais escolas onde a maioria dos alunos passa sempre de ano

Enquanto no ano passado havia 75 escolas onde a maioria dos seus alunos não chumbou nos três anos do presente ciclo de escolaridade, este ano há 102 em que o mesmo acontece.

Mudam-se os tempos, mas pouco ou nada nos rankings das escolas cujo indicador são as médias dos exames nacionais, no ensino básico e secundário. Tendo por base estas provas escritas, as escolas privadas continuam a ganhar face às públicas, dominando as primeiras posições. Contudo, quando a análise recai sobre os Percursos Diretos de Sucesso - isto é, a percentagem e alunos que garante positiva numa prova nacional sem registo de retenção nos dois anos anteriores -, são as segundas que saem a ganhar nos primeiros lugares. E no triénio de 2017/19, o número de estabelecimentos de ensino que somam casos de sucesso aumentou.

Se no triénio anterior os rankings das escolas mostravam que havia apenas 75 onde pelo menos a maioria dos alunos concluíram o ensino secundário regular sem insucesso nos respetivos três anos deste ciclo de escolaridade, entre 2017 e 2019 este número cresceu para 102 escolas. Ainda assim, um número reduzido face ao universo de 550 escolas secundárias da amostra (que exclui as ilhas dos Açores e da Madeira, bem como escolas internacionais). Ou seja, menos de um terço. O que "significa que os alunos que necessitam de mais trabalho para consolidarem as suas aprendizagens continuam a ser demasiados", avança a investigadora e secretária-geral do Instituto para as Políticas Públicas e Sociais do ISCTE (Instituto Universitário de Lisboa), Isabel Flores, em declarações ao DN.

Leia mais no DN

Recomendadas

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de