Net-Empregos. "Temos um pequeno barómetro do mercado laboral"

O Net-Empregos é líder entre os sites de oferta de emprego. Surgiu como brincadeira, no ano 2000, mas hoje é entre todos os outros o mais visto, o mais procurado por empresas e o que mais empregos dá, como refere o fundador, Rui Encarnação.

"Basta entrar no site e temos um pequeno barómetro do mercado laboral", afirma acrescentando que empregos em Direito ou Arquitetura são os que têm maior procura para menos oferta. Em contrapartida, a Engenharia é a área que as empresas mais pedem, logo seguida pelas Tecnologias da Informação, Medicina e Enfermagem.

Rui Encarnação conhece bem o mercado e diz que "não há enganos. As coisas estão difíceis como se diz que estão". O desemprego está a aumentar, as pessoas pedem para ir para fora e "quando estas vagas aparecem há sempre muitos candidatos", explica.

O primeiro site de Rui Encarnação foi criado quando estava na faculdade. Vivia-se o ano de 1997, Portugal criava empregos e começava a ver cada vez mais jovens a optarem pelo ensino superior. "Curiosamente, o primeiro emprego que consegui foi através desta página de emprego que criei inicialmente", confessa com um certo orgulho.

Quando o Net-empregos nasceu, apenas no ano 2000, e com 27 anos, Rui deu continuidade ao gosto que tinha tomado com o trabalho da faculdade. Os lucros nunca foram o principal objectivo, para isso existia um emprego como programador. Mas o site foi crescendo de dimensão, com cada vez mais empresas e mais procura.

Rui Encarnação afirma timidamente que a crise foi um parceiro com algum peso - é-que há empregos que vivem do desemprego.

Neste momento Rui já não tem uma profissão alternativa. "Em 2007 já não conseguia manter o site e o emprego. Despedi-me e comecei a dedicar-me unicamente ao site. Na altura foi arriscado".

O projecto cresceu, hoje têm mais de 300 mil amigos no Facebook, são visitados mensalmente por um milhão e duzentas mil pessoas, procurados por cerca de 500 empresas por dia e publicam mais de 1000 ofertas diariamente - no dia da entrevista o Net-empregos tinha 16 mil ofertas activas que se prolongam por 30 dias.

A capacidade de empregabilidade é difícil de medir, mas Rui afirma que "somos o site que dá mais empregos em Portugal". Os agradecimentos dos que procuram o Net-empregos vêm sob a forma de cartas, e-mails ou telefonemas. "O sistema que temos actualmente não nos permite saber com exactidão o número de empregos que ajudamos a criar. E essa é uma das alterações previstas para o futuro".

Doze anos depois, o site vai sofrer uma remodelação. Rui espera aumentar a equipa que já tem quatro pessoas, criar novos conteúdos para o site, permitir o agendamento de entrevistas, contactar de forma mais pessoal com empresas e pessoas.

"A diferenciação é cada vez mais importante. Um dos motivos para que sejamos o site de empregos mais visto, é porque já tentamos fazer essa diferenciação. Quando aparece uma oferta de emprego, validamos essa oferta, telefonamos a confirmar as vagas. Hoje em dia com a Internet é muito fácil haver enganos".

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de