Marcas que Marcam

Caçarola: nem todo o arroz é igual

New Image

Com 46 anos de história, a marca Caçarola pertence à Valente Marques, empresa que nos anos 70 construiu a primeira unidade de produção de arroz

Com 46 anos de história, a marca Caçarola é reconhecida em Portugal e além-fronteiras.”Orgulhamo-nos de estar presentes no quotidiano das famílias e de sermos considerados uma marca de confiança dos portugueses. Para isso trabalhamos no rigoroso controlo da origem do nosso produto, o acompanhamento da cadeia de valor desde a seleção da semente (atuando em parceria com os agricultores), sementeira, colheita e secagem, até a receção nas nossas instalações do arroz já seco e pronto a descasca”, diz a Valente Marques, empresa que produz a comercializa a marca de arroz Caçarola.

A história da Valente Marques começa nos moinhos de água de Oliveira de Azeméis há mais de dois séculos, onde a família se dedicava ao negócio do descasque de arroz.

A primeira fábrica do grupo surgiu na década de 70, e foi assim que surgiu a marca Caçarola. Em 1980 é instalada uma unidade de produção de arroz vaporizado que, segundo a empresa, “ainda hoje é única no país”, e que em 1991 é completamente remodelada.

Nos anos 90 a empresa começa a diversificar a produção com a comercialização de legumes secos e cozidos. Em 1999 introduz as massas alimentícias no portefólio.

Em 2011 é inaugurada uma nova unidade produtiva de tortitas de arroz e milho, com a marca Crackies.

“As Crackies serão a grande aposta para 2018, um produto que entrou na moda, alavancado pela tendência de estilo de vida saudável e a preocupação cada vez maior dos consumidores em manter uma alimentação equilibrada”, explica a empresa. O sucesso foi tal que ao fim de sete anos a Valente Marques vai inaugurar uma nova unidade com tecnologia de ponta, para alargar a gama de produtos e aumentar a capacidade de produção.

Este ano foi também lançado o arroz negro, originário da China, e o arroz carolino vaporizado, 100% nacional. “Temos acompanhado a evolução do mercado e o profundo conhecimento que advém de tantos anos de experiência dá-nos as ferramentas que nos permitem crescer, inovar e oferecer aos nossos clientes produtos de alta qualidade, saudáveis e rigorosamente controlados.”

 

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Ministro das Finanças, Mário Centeno, na apresentação do Orçamento do Estado para 2019. 16 de outubro de 2018. REUTERS/Rafael Marchante

Bruxelas envia carta a Centeno a pedir o triplo do esforço orçamental

lisboa-pixabay-335208_960_720-754456de1d29a84aecbd094317d7633af4e579d5

Estrangeiros compraram mais de mil imóveis por mais de meio milhão de euros

João Galamba (secretário de estado da energia) , João Pedro Matos Fernandes (Ministro para transição energética) e António Mexia  (EDP) durante a cerimonia de assinatura de financiamento por parte do Banco Europeu de Investimento (BEI) da Windfloat Atlantic. Um projecto de aproveitamento do movimento eólico no mar ao largo de Viana do Castelo.
(Reinaldo Rodrigues/Global Imagens)

Mexia diz que EDP volta a pagar a CESE se governo “cumprir a sua palavra”

Outros conteúdos GMG
Caçarola: nem todo o arroz é igual