Revolução 4.0

Agroalimentar mais tecnológico reforça competitividade

Foto: PortugalFoods
Foto: PortugalFoods

Aposta no 4.0 tem permitido ao setor agroalimentar aumentar a competitividade. Investir na formação é uma prioridade.

O setor agroalimentar é atualmente um dos front runners da economia nacional. Todo o cluster – da agricultura à indústria transformadora – investiu na modernização tecnológica e na inovação, tanto dos processos produtivos como dos próprios produtos, e os resultados estão à vista. “Componentes da robotização e desmaterialização dos processos têm sido fundamentais para que o setor tenha hoje indústrias que ombreiam ao nível das melhores do mundo”, garante Amândio Santos, presidente do conselho de administração do Portuguese AgroFood Cluster.

O investimento tem sido acompanhado pela requalificação dos recursos humanos (RH). “Não há máquinas que sejam eficazes e eficientes se não tiverem operadores bem preparados. O setor tem feito um esforço determinante na formação de toda a estrutura de RH, do chão de fábrica até às linhas de comando. Há uma dinâmica que tem apostado nestas componentes de modernização tecnológica, e nos processos que são hoje fundamentais para responder às exigências dos mercados”, afirma o responsável, que destaca o papel “fundamental” que a transição para a indústria 4.0 tem tido na conquista de novos mercados e clientes.

O esforço ocorre, contudo, a diferentes velocidades dentro do cluster. “Quando se está num estágio de exportação para países muito exigentes, as empresas são obrigadas a acelerar toda a sua adaptação às novas dinâmicas industriais e às novas ferramentas”, afirma Amândio Santos. “O setor tem de olhar para isto como uma prioridade e como uma alavanca de desenvolvimento e sobrevivência no futuro”, diz.

A indústria 4.0 traz desafios acrescidos ao cluster agroalimentar, nomeadamente a volatilidade da tecnologia. “Quando se fazem investimentos, tem de se ter muita atenção à evolução tecnológica que esses equipamentos vão ter”, explica o responsável. Mas é a adaptação das competências ao nível dos RH que tem um papel determinante. “Sem pessoas qualificadas, preparadas e conscientes, o caminho vai ser muito mais difícil”, alerta Amândio Santos.

Na centenária Cerealis – produtora das marcas de massas Nacional e Milaneza -, a digitalização é um dos pilares estratégicos há seis anos. “Estamos na fase da digitalização e integração de todos os processos para que as máquinas estejam a comunicar entre elas e um dia, sobre essa base de trabalho, possamos acrescentar funcionalidade”, explica Rui Amorim, CEO da empresa.

O investimento veio aumentar a rapidez e a eficácia mantendo os níveis de competitividade. “Podemos ver no momento erros ou imperfeições que nos permitem reagir e antecipar problemas de uma forma mais rápida. São resultados que nunca acabam, porque há sempre coisas a descobrir, e somos cada vez mais rápidos porque estes processos de interação com a informação online permitem usar as tecnologias, conhecimentos e competências estatísticas para otimizar as operações”, afirma o CEO.

Já na unidade de Investigação, Desenvolvimento e Inovação da Lipor, a aposta tem sido a recolha e o tratamento de dados. Com três áreas prioritárias – uma delas dedicada à produção de produtos para a agricultura, como o composto Nutrimais -, o grande objetivo da unidade é o desenvolvimento de produtos sustentáveis.

“A indústria 4.0 acaba por ser transversal. É através da recolha de dados e conhecendo cada vez melhor os processos que conseguimos otimizar cada uma das áreas”, explica Benedita Chaves, gestora da unidade. Em 2016 foi criado um data center especificamente para a recolha seletiva porta-a-porta, que a Lipor instalou em oito municípios do grande Porto. “Conseguimos saber a data em que foi feita a recolha e estimar quantidades de produção, quem separa ou não o lixo… E através da análise de dados podemos otimizar os circuitos e a frequência de recolha”, exemplifica Benedita Chaves.

A par com o data center, a unidade tem a decorrer dois projetos com vista a automatização das linhas de triagem com recurso a sensores cuja recolha de dados irá otimizar o processo. “Quanto mais usamos os dados, mais valor eles têm. E quanto mais dados tivermos melhor. É um processo em crescimento e estamos convictos de que assim vamos conseguir acrescentar cada vez mais valor aos nossos processos.

O grande objetivo é mudar o nosso modelo de negócio: deixar de ser uma empresa que presta serviços para ser um produtor de produtos sustentáveis com sistemas cada vez mais otimizados”, assume Benedita Chaves.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
Fotografia: Gustavo Bom/Global Imagens

Não conseguiu validar as faturas para o IRS? Contribuintes têm mais um dia

O ministro das Finanças, Mário Centeno, na apresentação das obras de arte da coleção BPN, agora integradas na Coleção do Estado, no Forte de Sacavém. Fotografia: TIAGO PETINGA/LUSA

Fundo de Resolução já pagou em juros 530 milhões ao Estado e 90 milhões a bancos

(Filipe Amorim / Global Imagens)

Venda do Novo Banco é “um não-assunto” para o Fundo de Resolução

Agroalimentar mais tecnológico reforça competitividade