Prémio Inovação NOS

A inovação não se mede aos palmos

Arsénio Reis e Rosália Amorim.

(Sara Matos / Global Imagens)
Arsénio Reis e Rosália Amorim. (Sara Matos / Global Imagens)

Grandes empresas, PME, responderam ao desafio e colocaram projetos inovadores à prova. Os vencedores são anunciados na próxima semana.

Estão reunidos os 30 projetos de finalistas que responderam ao desafio lançado às empresas pelo Prémio Inovação NOS 2017, uma parceria entre o Dinheiro Vivo e a TSF. A inovação em Portugal foi colocada à prova e os vencedores vão ser conhecidos na próxima semana, durante a entrega de prémios, em Lisboa, com a tecnologia a dominar as candidaturas da terceira edição, que chegaram quase todas do norte e centro do país.

O júri tem de escolher um favorito em cada uma das três categorias: grandes empresas, pequenas e médias empresas (PME) e startups, nas várias fases de desenvolvimento. O primeiro lugar vai ser atribuído ao projeto com as ideias mais criativas e revolucionárias. Mas não basta ser inovador, é preciso que os projetos apresentem uma resposta concreta às necessidades do mercado atual, e tenha um impacto no setor empresarial e na economia do país.

O setor da saúde surge nos primeiros lugares nas categoria das grandes empresas com o projeto Telerreabilitação, apresentado pelo Centro Hospitalar de Leiria, E.P.E., que quer tratar as doenças crónicas dos ossos, como a osteoartrose, através da ‘telerreabilitação’ ao domicílio. Com esta tecnologia os doentes poderão fazer reabilitação através de um dispositivo móvel, ao mesmo tempo que a informação está a ser enviada o médico. O hospital de Leiria é o único hospital público a utilizar esta tecnologia e pretende dar mais autonomia a 300 doentes ainda neste ano. Na área da comunicação, a Choice quer reduzir a pegada ecológica com o projeto Pitch Ecokart. A ideia concretiza-se no espaço eConversas, uma plataforma online, e na televisão, na qual a empresa vai partilhar sugestões de práticas mais amigas do ambiente, de acesso gratuito.

Entre os primeiros finalistas das PME está a solução inovadora Wavesys, o candidato da tecnológica de comunicações Wavecom, Soluções Rádio. A Wavesys quer tornar mais inteligente a comunicação e transmissão de dados entre longas distâncias, através de comunicação via rádio. Esta é uma inovação para as smart cities e para o setor da mobilidade, a pensar no utilizadores. Nos transportes, por exemplo, vai ser mais fácil para os passageiros ter acesso a wifi durante uma viagem. Também no topo encontramos a empresa Closer, que ajuda as empresas a gerir as tarefas de forma eficiente e aumentar a produtividade. A solução é a plataforma Evalyze, que recorre a algoritmos de inteligência artificial que identificam as tarefas dos colaboradores e as distribuem automaticamente. Os gestores podem acompanhar todo o processo.

As empresas startup têm aumentado a presença na competição do Prémio Inovação NOS. E os dados são expressivos: foram apresentadas 54 candidaturas contra apenas 11 na categoria das grandes empresas. Também no setor de atividade, as startups marcam a diferença num concurso em que se assume a posição do setor tecnológico. As propostas inovadoras das startups surgiram de setores de atividade como a ambiente, a agricultura ou a indústria. Como é o caso do projeto de inovação da Open Grow, Lda. O GroLab criou uma tecnologia de nível industrial, mas que é acessível e fácil de usar, para qualquer pessoa que queira controlar os seus cultivos, dentro ou fora de casa. E não só em terra há tecnologia e inovação. A Sun Concept tira o melhor partido da energia do Sol e propõe a primeira produção em série de catamarãs eletrossolares – o Sun Concept Catamaran 12.0. Todas as embarcações produzidas pela startup têm painéis fotovoltaicos para carregar as baterias, aumentar a eficiência, a sustentabilidade e a experiência na navegação.

Na batalha da inovação deste ano, as propostas apresentam soluções de inovação para produtos e para processos, e surgem com grande incidência no setor tecnológico, do comércio e do turismo.
Os projetos revolucionários das grandes empresas chegaram da região centro, e a maioria das soluções das PME chegaram da região norte. As startups distinguem-se mais uma vez destes dois tipo de empresa, até na distribuição geográfica. Os projetos destas empresas portuguesas foram pensados a partir de vários pontos do país.

O Prémio Inovação NOS dá visibilidade aos projetos vencedores ao mesmo tempo que dinamiza o setor empresarial. As soluções mais inovadoras vão ser reveladas na próxima semana e o Global Media Group vai ajudar na divulgação. Para alguns será uma oportunidade para tirar a solução inovadora “do papel”, para outros pode ser um grande impulso no negócio.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Mercados

FMI. Dívida de alto risco faz soar os alarmes

Ministro das Finanças de Angola, Archer Mangueira. Fotografia: Direitos Reservados

Archer Mangueira garante solução para dívida a empresas até final do ano

António Costa, primeiro-ministro, e Mário Centeno, ministro das Finanças, num debate parlamentar sobre o OE2019. Fotografia: REUTERS/Rafael Marchante

Outras touradas do Orçamento: as medidas mais arriscadas

Outros conteúdos GMG
A inovação não se mede aos palmos