Millennium Horizontes

Banca ganha com empresas capitalizadas

PMH-min

“No ano passado lançámos linhas de 1600 milhões de euros. Em 2018 o valor sobe para 2600 milhões de euros, registando um aumento de 60% no reforço destes fundos”, anunciou o ministro da Economia, Manuel Caldeira Cabral, durante os Prémios Millennium Horizontes, evento que decorreu na Casa da Música no Porto. Esta é uma das medidas do programa Capitalizar Mais, previsto no Orçamento do Estado para 2018.

Também os prazos de financiamento nas linhas viradas para o investimento serão alargados de seis para 12 anos. Outra novidade é o alargamento do regime da remuneração convencional do capital social. Até aqui, quem investia com base em crédito podia descontar os juros em termos de custos e de massa para pagamento de impostos. Já quem investia com base em recursos próprios não tinha o mesmo benefício.

Poder transformar créditos em capital e com isso associar benefícios fiscais é importante para as empresas. “As empresas que nos rácios aparecessem sobre-endividadas, ao transformarem esses créditos em capital irão incorporar os credores como acionistas, mas com isso irão melhorar os seus rácios de capital.” Conclusão: a banca fica melhor se puder dar crédito a empresas capitalizadas e as empresas ficam melhor se recorrerem à banca para o remanescente e não para a totalidade.

Hora das médias empresas
As médias empresas terão mais atenção, na medida em que registam o maior crescimento das exportações, defende Manuel Caldeira Cabral. São empresas que já estão acima dos 50 milhões de euros, e que, segundo o governante, têm capacidade de afirmação internacional.

O governo espera contar com o sistema bancário para a distribuição destas linhas. Um esforço com que acredita dar um segundo fôlego a empresas viáveis e ao mesmo tempo apoiar a banca na resolução do problema do crédito malparado.

Programa Interface
Com o Interface, o governo quer acelerar a transferência de tecnologia das universidades para as empresas através do apoio aos Centros de Interface Tecnológico (CIT), para fazerem a ligação entre as instituições de ensino superior e as empresas e através dos Laboratórios Colaborativos, ou seja, a associação ou o consórcio de unidades de investigação, instituições de ensino superior, empresas, instituições intermédias e de interface, centros tecnológicos, empresas, associações empresariais.

Está aberto o concurso aos novos Laboratórios Colaborativos em áreas críticas: incorporação do digital na indústria, setor agrícola e desenvolvimento dos nossos recursos endógenos, como a vinha no Douro, culturas de montanha em Trás-os-Montes, valorização do mar, por exemplo.

Os cluster definidos pelo programa Interface são o da arquitetura, engenharia e construção; da vinha e do vinho; do calçado e da moda; dos recursos minerais de Portugal; e do habitat sustentável. Os ministérios da Economia e da Ciência estão de mãos dadas.

“A inovação não se faz por decreto”, acredita Caldeira Cabral. “Mas por estruturas de apoio mais fortes e com o reforço dos recursos humanos qualificados.”

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Bitcoin

As sete critptomoedas que valem mais de dez mil milhões

Fotografia:  Fernando Pereira / Global Imagens

Como a dona da Conforama causou perdas milionárias aos maiores bancos do mundo

Angela Merkel

SPD aprova negociações com Merkel para formação de governo

Outros conteúdos GMG
Conteúdo TUI
Banca ganha com empresas capitalizadas