Poupança para a Vida

“Basta uma moderada recuperação e tudo volta aos excessos de antes da crise”

Bagão Félix
Bagão Félix

António Bagão Félix está preocupado com a poupança nacional. Para o ex-ministro das Finanças, não há políticas para estimular o aforro e “tudo favorece o endividamento”.

António Bagão Félix foi ministro da Segurança Social e do Trabalho do governo de Durão Barroso, assumindo depois a pasta das Finanças no executivo do também social-democrata Pedro Santana Lopes. Para o antigo governante, a introdução de um sistema complementar de capitalização – previsto na Lei de Bases da Segurança Social de 2002, que ajudou a criar – é essencial para acautelar as poupanças dos portugueses nos anos da reforma.

Embora tenha havido um crescimento do volume das poupanças individuais em 2017, este continua a ser baixo. Qual a análise que faz da atual situação das poupanças nacionais?

A poupança tem sido a enjeitada da macroeconomia. É recorrentemente subestimada, porque não faz parte da agenda político-mediática, nem faz parte diretamente das bitolas europeias. Mas é de senso comum perceber-se a sua importância para o progresso de um país.

Poupar significa, acima de tudo, renunciar a gastar hoje para consumir amanhã. Isto é, usar o tempo para prevenir, acautelar e promover uma cultura de responsabilidade. Por outras palavras, poupar é uma atitude aliada do médio e longo prazos e adversária do imediato, do efémero e do ilusório. A taxa de poupança atinge valores perigosamente baixos em percentagem do rendimento disponível (em 2017, à volta de 5,4%, quando 15 anos atrás andava por ainda uns já modestos 11%). Ao mesmo tempo, o endividamento – que é como quem diz a poupança negativa – continua em níveis muito elevados, próxima dos 100% do rendimento disponível.

É o próprio sistema que favorece este tipo de comportamento?

Neste momento não há politicas para estimular a poupança, tudo favorece o endividamento. Basta uma moderada recuperação económica e tudo parece voltar aos excessos de antes da crise. Volta-se a não discernir entre utilidade e futilidade, ignora-se a poupança como valor ético, comportamental e geracional. A história repete-se. Com uma diferença: custará cada vez mais… Tudo isto, com um fortíssimo agravamento da taxa de IRS sobre a remuneração da poupança, que, em poucos anos, passou de 20% para 21,5%, depois para 25%, depois para 26,5% e, finalmente, para 28%, ou seja, um agravamento percentual de 40%. De tal modo que, sendo a sua remuneração bruta quase nula e nunca igual ou superior à taxa de inflação, o IRS sobre os juros acaba por incidir parcialmente sobre o próprio capital. Por outro lado, trata-se fiscalmente do mesmo modo, um pequeno aforrador, um grande acionista ou um sofisticado especulador.

E do lado das empresas, o sistema fiscal continua a favorecer os capitais alheios em detrimento dos capitais próprios. Temos mais capitalistas de dívidas do que de capitais.

Pode concretizar?

Há abordagens económicas que contrariam o senso comum. A questão é ainda mais estranha quando se transformam em leis. Refiro-me à recente aprovação parlamentar de um diploma que instituiu a obrigatoriedade de as instituições bancárias refletirem totalmente e em todas as circunstâncias a descida da taxa Euribor nos contratos de crédito à habitação. Até agora, esta descida tinha como limite a taxa de 0%. A partir desta lei, pode haver juros negativos sempre que o valor do spread contratualizado seja inferior à taxa (negativa) Euribor, que serve de referência no mútuo.

Ao mesmo tempo, e numa conjuntura como a actual, quem tem as suas poupanças num banco além de nada receber (em depósitos à ordem e tendencialmente a prazo, em termos líquidos de IRS), ainda pode ter de pagar sob a forma de comissões de vária ordem (manutenção, transferências, etc.), em regra regressivas, pagando percentualmente mais quem menos tem. Em suma, casos haverá em que quem deve ao banco será remunerado e quem poupa terá de pagar!

Aquando da reforma da Segurança Social quis implementar medidas que promovessem a poupança. Conseguiu os resultados pretendidos?

No que se refere ao sistema de pensões, a introdução de um sistema complementar de capitalização, como o previsto na Lei de Bases da Segurança Social de 2002, é necessária como forma de prevenir riscos, de reforçar a poupança intergeracional e de acautelar a menor capacidade demográfica dos sistemas de repartição. É evidente que tal exige gradualismo na adequação entre procura e oferta, e prudência na sua conjugação com a produção de efeitos na Segurança Social pública.

Trata-se de um contrato que preserve o seu alicerce público, mas que não iluda as pessoas através de um Estado totalizante, na saúde e nas pensões. Um “Estado possibilitador”, que tenha um critério social coerente e congruente com uma sólida igualdade de oportunidades, e não com um ilusório igualitarismo. Um Estado Social que não se pode dissociar do sistema fiscal e da sua progressividade.

Como deve ser feita essa reforma?

Uma reforma do sistema deve ser construída com base num sistema nacional que permita a conjugação harmoniosa entre a cobertura pública, empresarial e familiar dos riscos sociais. Tal implica uma abordagem distinta para a gestão da poupança, em que o Estado deve partilhar o risco com as empresas e famílias, numa simbiose de transferências intergeracionais (repartição) e de gestão a longo prazo de prestações diferidas (capitalização).

Entre múltiplas condições, esta viragem exige a introdução cautelosa, mas convicta, de tectos contributivos (o chamado “plafonamento”), o estímulo fiscal à poupança e o aprofundamento de certificação de agências administradoras da poupança e dos sistemas de supervisão pública. No fundo, passar do exclusivismo de um Estado-Providencialista (de prover) para uma organização social mais previdencialista (de prevenir).

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
16. Empregados de mesa

Oferta de emprego em alta no verão segura aumento de salários

Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa (Fotografia: José Coelho/ Lusa)

Marcelo aprova compra do SIRESP. Governo fica com “acrescidas responsabilidades”

draghi bce bancos juros taxas

BCE volta a Sintra para o último Fórum com Draghi na liderança

Outros conteúdos GMG
“Basta uma moderada recuperação e tudo volta aos excessos de antes da crise”