Portugal Exportador 2019

Comércio eletrónico é chave para as exportações

Lisboa, 27/11/2019 -  Sessão inaugural da 14ª Edição do Portugal Exportador, a decorrer durante o dia de hoje no Centro de Congressos de Lisboa. O Ministro dos Negócios Estrangeiros, Augusto Santos Silva, o Presidente da AIP, Jorge Rocha de Matos, o CEO do Novo Banco, António Ramalho e o Secretário de Estado da Internacionalização, Eurico Brilhante Dias

( Filipa Bernardo/ Global Imagens )
Lisboa, 27/11/2019 - Sessão inaugural da 14ª Edição do Portugal Exportador, a decorrer durante o dia de hoje no Centro de Congressos de Lisboa. O Ministro dos Negócios Estrangeiros, Augusto Santos Silva, o Presidente da AIP, Jorge Rocha de Matos, o CEO do Novo Banco, António Ramalho e o Secretário de Estado da Internacionalização, Eurico Brilhante Dias ( Filipa Bernardo/ Global Imagens )

Os desafios da internacionalização estiveram em debate na 14.ª edição do Portugal Exportador.

Foram mais de 800 as empresas que marcaram presença no Centro de Congressos de Lisboa, na última quarta-feira, durante a 14.ª edição do Portugal Exportador, evento realizado conjuntamente pela Fundação AIP, Novo Banco e AICEP Portugal Global. Alemanha, Angola e Espanha foram os mercados a merecer destaque, numa edição que também colocou em evidência os setores do agroalimentar e da metalomecânica e sublinhou, desde o primeiro momento, a importância do e-commerce para o incremento da internacionalização da economia nacional.

“Se ganharmos a batalha do comércio digital, ganhamos a batalha da diversificação de mercados para fora do espaço europeu.”

Augusto Santos Silva , Ministro de Estado e dos Negócios Estrangeiro

“O grande desafio de hoje é como exportar no comércio digital”, afirmou Augusto Santos Silva ainda na sessão de abertura. O ministro de Estado e dos Negócios Estrangeiros sublinhou que este é um tipo de comércio cujo crescimento é maior fora do espaço europeu, pelo que a capacidade das empresas portuguesas ganharem espaço neste segmento é duplamente importante. “Se ganharmos a batalha do comércio digital, ganhamos a batalha da diversificação de mercados para fora do espaço europeu”, afirmou o governante.

Também António Silva, administrador da AICEP Portugal Global, frisou a importância do comércio digital, sublinhando o caminho que os empresários portugueses ainda têm pela frente. “Portugal é dos países europeus em que menos se vende por e-commerce – tanto internamente como para exportação – e isto é algo que vai ser fatal”, alertou o responsável da AICEP Portugal Global.

“Portugal é dos países europeus em que menos se vende por e-commerce – tanto internamente como para exportação – e isto é algo que vai ser fatal.”

António Silva, Administrador da AICEP Portugal Global

A necessidade de diversificar mercados – um dos calcanhares de Aquiles do processo de internacionalização das empresas portuguesas – foi diversas vezes referida na sessão de abertura, que contou com a presença de Jorge Rocha de Matos, presidente da Fundação AIP, António Ramalho, presidente executivo do Novo Banco e António Silva, administrador da AICEP Portugal Global. Em jeito de balanço, Jorge Rocha de Matos lembrou que, apesar do crescimento e desempenho positivo, as exportações estão ainda aquém dos objetivos traçados na Magna Carta da Competitividade, lançada pela AIP em 2003, a qual previa que as exportações tivessem em 2020 um peso de 50% no PIB nacional. Numa nota mais positiva, Rocha de Matos lembrou que nos anos da crise de 2008 e 2009 as exportações foram a única variável dinâmica do PIB : “O facto de as exportações representarem 44% do PIB é um bom indicador de que se atingiu um patamar superior de sustentabilidade da economia portuguesa.”

“As exportações representarem 44% do PIB é um bom indicador de que se atingiu um patamar superior de sustentabilidade da economia portuguesa.”

Jorge Rocha de Matos, Presidente da Fundação AIP

Brexit em análise
Além dos mercados e setores em destaque, mereceram atenção ao longo do dia fatores condicionantes das exportações nacionais como o previsível abrandamento da atividade económica nas principais economias mundiais ou as incertezas associadas ao brexit.

A saída do Reino Unido da União Europeia mereceu, aliás, um workshop específico que contou com a participação, entre outros, de Ana Paula Caliço Raposo, subdiretora-geral da Autoridade Tributária e Aduaneira, Marco Fernandes, CEO da PME Investimentos, e Ramiro Salgado, empresário e representante da Câmara de Comércio Portuguesa no Reino Unido.

Em análise estiveram não só iniciativas de apoio que vão da linha telefónica dedicada pela Autoridade Tributária à resposta de questões sobre o brexit, a linhas de financiamento como a Linha de Apoio a Empresas com Exposição ao brexit, lançada em 2018 para apoiar empresas sediadas em território português, e cujas trocas comerciais com o Reino Unido ultrapassem os 15% do seu volume de negócios.

E se é verdade que a 1 de janeiro de 2021 existirão mudanças inevitáveis – nomeadamente o fim da isenção de IVA sobre remessas de baixo valor -, a verdade é que o tom do debate foi claramente positivo.

“Por mais hard que seja o brexit, os benefícios deste mercado serão sempre superiores aos problemas”, diz Ramiro Salgado, para quem é claro que “o Reino Unido não quer nem pode ficar isolado do mundo e vai continuar a manter as suas relações comerciais com o exterior”.
O representante da Câmara de Comércio Portuguesa no Reino Unido salientou as mais-valias de um mercado altamente competitivo, onde propostas de produtos ou serviços que acrescentem valor e resolvam problemas existentes no mercado continuarão a ser bem-vindos.

Os números
No total, a 14.ª edição do Portugal Exportador contou com 1157 visitantes, um número que fica ligeiramente aquém do alcançado no ano passado, o que pode ser explicado pela eliminação da chamada zona free na edição deste ano.

A possibilidade de os empresários reunirem com web buyers – que teve início na edição de 2018 – voltou a revelar-se um sucesso, com 55 reuniões realizadas e vários pedidos registados para que haja um incremento desta ação em 2020.

Por seu turno, a iniciativa Meet the Leaders, uma novidade desta edição que promove reuniões B2B entre investidores e startups, foi, para os organizadores, uma “aposta ganha”, com a forte adesão a resultar em 53 reuniões.

“O Portugal Exportador faz parte de um ecossistema que nos últimos anos se tornou um sucesso coletivo.”

António Ramalho, Presidente executivo do Novo Banco

Ao longo de todo o dia estiveram presentes 115 expositores, 122 oradores e foram realizados 11 workshops, sempre com a internacionalização das pequenas e médias empresas nacionais como pano de fundo. Para António Ramalho, “o Portugal Exportador faz parte de um ecossistema que nos últimos anos se tornou um sucesso coletivo”.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
Céu cinzento de Londres. Fotografia: D.R.

Portugal fora do corredor turístico britânico. Madeira e Açores entram

O ministro de Estado e das Finanças, João Leão, acompanhado pelo ministro das Infraestruturas e da Habitação, Pedro Nuno Santos (Foto: Mário Cruz/Lusa)

Recuperar poder de decisão na TAP obriga Estado a pagar mais

O presidente do conselho de administração da TAP, Miguel Frasquilho. (Reinaldo Rodrigues/Global Imagens)

Frasquilho: Reestruturação da TAP “não vai ser isento de dor”

Comércio eletrónico é chave para as exportações