Conversas grupo SIMAB

Do Mercado da Ribeira para os 1500 metros quadrados no MARL

Rui Tomé da Rainha do Caldo Verde, uma empresa de exportação. 

(Orlando Almeida / Global Imagens)
Rui Tomé da Rainha do Caldo Verde, uma empresa de exportação. (Orlando Almeida / Global Imagens)

Começou por ser a Rainha do Caldo Verde, mas a empresa de Rui Tomé vai hoje muito além disso. Está a crescer e aumentar as exportações está em cima da mesa.

Há 60 anos, o Mercado da Ribeira tornou-se o ponto de partida para uma empresa que começou como a Rainha do Caldo Verde e hoje é uma referência numa enorme variedade de produtos. Porém, mantém-se fiel às origens, ainda que no Mercado Abastecedor da Região de Lisboa (MARL) tenha crescido e queira continuar a fazê-lo, inclusivamente além-fronteiras. Tudo começou com os avós de Rui Tomé, o sócio-gerente que levou a Rainha do Caldo Verde a outro nível.

Os pais sucederam aos avós e ao terminar o 12.º ano, Rui Tomé, agora com 43 anos, optou por seguir o negócio de família, onde também já trabalha um dos seus filhos. Ao todo são 42 pessoas empregadas na Rainha do Caldo Verde. “Quando fui para a praça comecei a fazer umas distribuições, a levar a uns restaurantes, a umas escolas, comecei a fornecer também umas frutas. Depois, quando vim para o MARL, é que comecei a expandir mais e a pôr mais produtos”, recordou. Os pais sentem orgulho em como conseguiu fazer crescer a empresa: ao chegar ao MARL tinha uma box; hoje ocupa um espaço de 1500 metros quadrados.

“Vendemos para hotéis, escolas, restauração, supermercados… Para todo o lado. Vendemos mais em Portugal, mas também exportamos alguma coisa. 10% no máximo”, salientou, acrescentando que apostar mais na exportação será algo a pensar, numa altura em que o negócio cresce entre 20% e 30% ao ano. “Queremos crescer a nível nacional, que é onde somos mais fortes. Para já ainda não [nos focamos tanto na exportação], mas temos de pensar. É o futuro.”

E o futuro passa também por novos produtos, além dos muitos produtos hortícolas e frutas que tem para fornecer aos seus clientes: “Também temos a parte das sopas e agora temos as máquinas para começar a fazer as novas saladas. Por isso é que ainda estamos a apostar mais no mercado nacional, mais tarde sim, pensamos na exportação.” E ter uma grande variedade de produtos é, para Rui Tomé, um fator que diferencia a empresa, pois o cliente pode encontrar de tudo.

O sócio-gerente explicou que compra a vários produtores, desde Portugal e Espanha, mas também a outros países como a Holanda e até China: “Não conseguimos ter o produto nacional todo o ano, desde a cereja, morangos… Trabalhamos com muitos produtores. De Portugal, [os produtos] vêm do sul ao norte do país.”

Apesar da aposta noutros produtos, Rui Tomé optou por manter a imagem da família com o nome Rainha do Caldo Verde e continua a fazer a transformação da couve e a vendê-la. Contudo, o MARL deu outras condições para a empresa crescer. Estar na SIMAB “faz diferença no negócio”, como, por exemplo, na divulgação que a empresa recebe, sublinhou Rui Tomé.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
A ministra do Trabalho, Ana Mendes Godinho (D), e o secretário de Estado do Emprego, Miguel Cabrita (E). Fotografia: MANUEL DE ALMEIDA/LUSA

Salário mínimo de 635 euros? Dos 617 dos patrões aos 690 euros da CGTP

concertação

Governo sobe, sem acordo, salário mínimo até 635 euros em 2020

concertação

Governo sobe, sem acordo, salário mínimo até 635 euros em 2020

Outros conteúdos GMG
Do Mercado da Ribeira para os 1500 metros quadrados no MARL