Digitalks 2019

“Na Google olhamos para pessoas que estão ativamente a querer comprar”

Percorra a galeria de imagens acima clicando sobre as setas.

Viagem e experiência do consumidor, reputação e confiança nas marcas foram temas debatidos no último dia do Digitalks, evento brasileiro de marketing digital que estreou nesta semana em Portugal.

O segundo dia do Digitalks começou com Adriana Lima. A gestora de desenvolvimento de negócio da Google abriu a manhã com uma série de questões em torno dos media digitais e das tendências que a Google antecipa. O que está a fazer na sua empresa é o melhor para a marca? As suas estratégias estão de facto orientadas para melhores práticas e para o público decisor e estratégico?

Depois de conhecermos os dados que o Google Analytics nos dá, devemos passar para o próximo desafio, ou seja, conhecer o Life Time Value, o tempo que o cliente estará com a marca e o dinheiro que vai gastar com ela. Sem estes dados, explicou Adriana Lima, não podemos definir a melhor estratégia de marketing digital.

Quando falamos de números em cru, temos de saber o que está por trás. Por exemplo, 50 euros por um jantar é caro ou barato?” Do ponto de vista do cliente, depende de vários fatores. As marcas para terem acesso a esta informação devem passar a medir a viagem digital do consumidor. Só assim ganham consciência da razão que leva a que, por exemplo, não consigam gerar leads ou vendas. Porque não voltam os utilizadores? E por que é que não convertem a sua visita em compra?

Na Google olhamos para as audiências muito além de sexo, idade, profissão, etc. Registamos eventos de vida, como casamento, hora de comprar casa e carro. Olhamos para as pessoas que estão ativamente a querer comprar algo.” Com o estudo da chamada “jornada dos clientes” estamos a ir além da procura que já existe e a olhar de forma proativa para o comportamento de compra, explicou.

O futuro vai ser brutal, vamos falar de coisas como Universal App Campaigns (UAC).” No passado, para promover uma nova aplicação mobile era preciso criar várias campanhas de pesquisa com palavras-chave, definição de públicos-alvo e segmentações. A Google veio simplificar este processo e lançou as campanhas universais para aplicações que disparam automaticamente anúncios para todas as redes através de machine learning. As UAC geram automaticamente headlines de anúncios dirigidos a públicos definidos.

A experiência do cliente na TAP

Dentro da mesma temática da viagem do cliente, Maria João Anastácio, head de Customer Experience na TAP Portugal, trouxe o tema da experiência do cliente e de como a cultura de dados pode ajudar as marcas. Partindo do seu próprio conhecimento na área digital, apresentou a sua visão sobre a transformação digital e a cultura de dados dentro de uma empresa.

As marcas devem começar por seguir a filosofia e os princípios do chamado Customer Experience e só depois preocuparem-se com a tecnologia. O cliente quer saber em primeiro lugar quais os benefícios que a marca lhe trará – estes podem não ser palpáveis, nem quantitativos.

O que mudou, perguntava Maria João Anastácio. Mudou a expectativa. “Os clientes têm uma expectativa da TAP diferente daquela que têm da Ryanair e podem ser clientes de ambas as companhias aéreas.” Precisamos de nos colocar no lugar do cliente para conhecer essas expectativas. Mas como, se são 16 milhões de passageiros? Resposta: com uma cultura de dados. “Dados já temos. A cultura é que é mais difícil”, gracejou.

Os dados têm de ser transformados em conhecimento para que façam sentido. A Experiência do Cliente veio dar-nos os dados da viagem, como, por exemplo, em que momentos é que o cliente está mais e menos satisfeito. “Queremos construir relacionamentos em vez de transações.”

O futuro, segundo a responsável, é da inteligência artificial. A TAP foi pioneira e já teve chats respondidos por robots (chatbots) que simulam o ser humano, mas abandonou-os, “talvez fosse cedo demais”, admite Maria João Anastácio. Contudo, sabe o que os estudos indicam: 63% das pessoas gostam de chatbots com uma condição – apenas se a conversa (que começou com o robot) for continuada e concluída por humanos de carne e osso.

Economia da reputação

O que é a reputação? É aquilo que falam de nós quando nos levantamos da mesa”, terá dito Mário Mello da Paypal. A citação foi trazida por Edu Neves, CEO da Reclame Aqui no Brasil (https://www.reclameaqui.com.br), uma plataforma na linha da rede social de consumidores Portal da Queixa (https://www.portaldaqueixa.com).

Aquilo que as pessoas comentam no momento em que você não está presente é o barómetro de reputação da sua marca. O tema foi recuperado depois do almoço por Maurício Vargas, o fundador da Reclame Aqui, plataforma de relação entre o consumidor e as marcas, que está neste momento a expandir a atividade para Portugal. Os contactos com as empresas já começaram e procuram um novo colaborador português, de preferência do sexo feminino, para ajudar nas relações institucionais.

A Reclame aqui tem 18 anos de atividade no Brasil e começa agora a apostar na internacionalização. Para isso foram buscar investimento externo (“pouco”, como fez questão de sublinhar Maurício Vargas) de um fundo de capital de risco.

A marca faz gala em dizer que nunca precisou de grandes investimentos em publicidade e que o sucesso tem sido conseguido com base na habilidade para as palavras-chave dos seus profissionais de SEO (Search Engine Optimization) e pela publicidade “boca a boca.”

Tal como o Facebook, que não é dono da informação que é publicada, também a Reclame aqui não gasta dinheiro em produção de conteúdos. Estes não são seus, mas dos consumidores que fazem reclamações e das empresas que lhes respondem – tudo online.

O consumidor é o protagonista das histórias

Maurício Vargas veio ao Digitalks para falar da nova economia, a da reputação. Como é que as histórias do consumidor constroem a reputação das marcas na era digital? “O homem tem de ter histórias para contar. Qual é a sua?”, desafiou o brasileiro. Acredita que o bom atendimento prestado pelas empresas ao público pode gerar uma corrente positiva de respeito. “É isso que queremos trazer para Portugal”, afirmou.

A Reclame Aqui não está apenas do lado do consumidor. “Estamos do lado dos bons consumidores e das boas empresas”. Uma atitude diferenciadora e que sustenta um dos eventos que querem trazer para o nosso país para o ano e que vem distinguir as melhores empresas com um prémio. “Não temos patrocinadores, nem damos possibilidade às empresas de pagar para constar nesta iniciativa que é “toda paga pela Reclame Aqui”, sublinhou Vargas.

Percorra a galeria de imagens acima clicando sobre as setas.
Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Facebook's founder and CEO Mark Zuckerberg reacts as he speaks at the Viva Tech start-up and technology summit in Paris, France, May 24, 2018. REUTERS/Charles Platiau - RC11ABE16B10

Abusos nos dados privados pode custar ao Facebook entre 3 a 5 mil milhões

Foto: Global Imagens

Jovens licenciados portugueses com maior probabilidade de terem salários baixos

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa,  intervem durante a sessão solene comemorativa dos 45 anos da Revolução de 25 de Abril na Assembleia da República em Lisboa, 25 de abril de 2019. ANTÓNIO COTRIM/LUSA

Presidente da República pede “mais ambição” para resolver problemas

Outros conteúdos GMG
Conteúdo TUI
“Na Google olhamos para pessoas que estão ativamente a querer comprar”