Conversas PortoBay

“Gosto de pensar que [Paulo Portas] poderá vir a ser candidato presidencial”

( Nuno Pinto Fernandes/ Global Imagens )
( Nuno Pinto Fernandes/ Global Imagens )

Assunção Cristas foi a convidada desta semana do ciclo de entrevistas públicas organizado pelo grupo hoteleiro PortoBay. Diz que “gostava de ser primeira-ministra”.

A presidente do CDS-PP levantou a ponta do véu sobre a hipótese de Paulo Portas voltar à vida política ativa. Quando o líder carismático do CDS decidiu despedir-se do Parlamento em 2015 para abraçar a consultoria e outros cargos profissionais, dizia-se que a sua sucessora, Assunção Cristas, iria ficar na sua sombra, atirou o jornalista e escritor Luís Osório, dando assim início a mais uma entrevista pública integrada no ciclo de conversas que acontece todas as semanas numa das salas do hotel PortoBay, na capital.

“Vou ficar na luz [e não na sombra] de Paulo Portas”, contrariou a líder do CDS-PP e vereadora da Câmara Municipal de Lisboa, justificando: “Ele deixou um partido organizado, com provas dadas, uma base de trabalho ótima e uma boa inspiração.” Mais à frente na conversa disse considerá-lo “um sedutor, um líder notável”. Vários adjetivos apenas para adiar um pouco a insinuação de que todos ansiavam: a de que Paulo Portas vai voltar à vida política.

O mote fez o convidado António Cunha Vaz, presidente da empresa de comunicação Cunha Vaz & Associados, lançar a primeira pergunta vinda do público, sobre onde se situa hoje Paulo Portas, neste mundo dos “afetos” e do populismo. “Gosto de pensar que está em pousio e que poderá vir a ser candidato presidencial”, esclareceu por fim a líder centrista, que também quer para si um lugar cimeiro. “Gostava de ser primeira-ministra.”

Assunção Cristas não se conteve nos ataques ao atual primeiro-ministro socialista e chega mesmo a usar a palavra “aldrabar” para qualificar algumas das atitudes ou ações que atribui a António Costa. “Não seremos apoiantes de António Costa. Somo oposição a António Costa”, disse e repetiu. “Somos o único partido que diz de forma clara que não queremos ter nada que ver com António Costa.”
Quando a temperatura negativa começou a subir, concordou com o moderador em mudar de tema. “Sim, prefiro não falar mais de António Costa, para não pecar…”

Preocupa-se com o que as pessoas dizem? Diz que anda muito na rua, junto das pessoas, mas que não está dependente de energias externas. Outra coisa é a opinião dos seus pares na política: “Antes, todos gostavam muito de mim. Mas isso foi enquanto achavam que era inofensiva.”
Para a semana a música é outra e o tom da conversa no dia 13 de novembro vai mudar. A maestrina Joana Carneiro será a próxima convidada deste ciclo de encontros com portugueses que se destacam.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
(João Silva/ Global Imagens)

Há quase mais 50 mil imóveis de luxo a pagar AIMI

(João Silva/ Global Imagens)

Há quase mais 50 mil imóveis de luxo a pagar AIMI

Negociações para revisão do contrato coletivo de trabalho da construção arrancam em setembro

Salário base da construção pode subir até 194 euros

Outros conteúdos GMG
“Gosto de pensar que [Paulo Portas] poderá vir a ser candidato presidencial”