Tecnologia

Huawei: De revendedor de equipamentos, a líder mundial de tecnologia

Huawei 4

O percurso traçado pela multinacional chinesa começou em 1987, mas foi com a chegada a Portugal que a marca lançou o seu primeiro telemóvel na Europa. Hoje é um dos principais players do mercado internacional.

A história de sucesso da Huawei, marca que nasceu há 32 anos em Shenzhen, na China, é amplamente conhecida. Mas, o que muitos não saberão é que o seu fundador, Ren Zhengfei, iniciou esta aventura empresarial com um financiamento de 3500 dólares, num modelo de startup semelhante ao de tantos outros negócios. O objetivo, na altura, passava pela revenda de equipamentos e só mais tarde a empresa começou a desenvolver os seus próprios produtos. Hoje, a marca chinesa é uma gigante que abrange as áreas de infraestrutura de telecomunicações, soluções empresariais e dispositivos móveis, com grande peso dos smartphones e presença em mais de 170 países, com Portugal a ter algum protagonismo, também pouco conhecido da generalidade dos consumidores. Aliás, como refere João Matos Maria, Key Account Director na Huawei Portugal, o país é visto pela marca como “um laboratório na Europa”, graças à sua capacidade inovadora.

Quando chegou a terras lusas, em 2004, a empresa – na altura completamente desconhecida do mercado nacional e com pouca presença na Europa – fabricava apenas telemóveis que eram depois comercializados pelas marcas dos operadores de telecomunicações, recorda o diretor de contas. No entanto, graças à boa aceitação destes modelos junto do mercado, acabou por dar o passo seguinte e iniciar a produção própria. “O primeiro telemóvel com marca Huawei na Europa foi lançado em Portugal e o sucesso foi tão grande que fomos apresentar o caso lá fora”, reforça João Matos Maria.

A celebrar 15 anos de presença em Portugal, a marca foi, até meados deste ano, líder nas vendas de equipamentos, tendo ultrapassado gigantes como a Samsung ou a Apple, ocupando agora o segundo lugar no mercado nacional, posição que detém também no mercado Europeu e no mundial.

Apesar da ligeira quebra nas vendas nacionais, fruto do bloqueio imposto há uns meses pelos Estados Unidos, a marca acredita que, com o lançamento dos novos produtos previstos para 2020, consiga regressar à liderança do mercado de smartphones. Foco no cliente, dedicação, e perseverança, a par com a crescente aposta na inovação, são, para João Matos Maria, os ingredientes necessários para manter o crescimento da marca em Portugal. “Atualmente, é com orgulho que vemos que a Huawei Portugal é a única empresa no mercado com um portefólio de A a Z na área da engenharia”, reforça.

A sua forte veia inovadora, que leva a multinacional a investir no desenvolvimento de projetos no âmbito do 5G, tem vindo a revelar-se transformadora no mercado de smartphones, mas também em áreas como a medicina, a atividade mineira ou até na agricultura. É, por isso, uma marca com um percurso assinalável na evolução do estatuto de mero revendedor de produto para uma tecnológica com tentáculos que, hoje, vão muito além da produção de smartphones.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
O presidente do Novo Banco, António Ramalho, discursa na cerimónia de lançamento do Projeto de Divulgação Cultural do Novo Banco. Fotografia: MANUEL DE ALMEIDA/LUSA

Banca custou ao Estado mais 1,5 mil milhões de euros em 2019, agora ajude

coronavirus portugal antonio costa

Proibidos ajuntamentos com mais de cinco pessoas. Aeroportos encerrados

O primeiro-ministro, António Costa, fala aos jornalistas no final da reunião do Conselho de Ministros após a Assembleia da República ter aprovado o decreto do Presidente da República que prolonga o estado de emergência até ao final do dia 17 de abril para combater a pandemia da covid-19, no Palácio da Ajuda, em Lisboa, 2 de abril de 2020. 
 MÁRIO CRUZ/POOL/LUSA

Mapa de férias pode ser aprovado e afixado mais tarde do que o habitual

Huawei: De revendedor de equipamentos, a líder mundial de tecnologia