Millennium Horizontes

Indústria apresentou 58% das candidaturas aos prémios

PMH-min

A indústria transformadora é a mais bem representada entre os 570 concorrentes aos Prémios Millennium Horizontes, contando 58% das candidaturas. Um nível de participação “claramente acima das expectativas” e “muito positivo para a longevidade desta iniciativa” ao longo dos próximos anos, considerou a administradora executiva do Millennium bcp, Conceição Lucas, em declarações ao Dinheiro Vivo.

Em segundo lugar na lista de concorrentes destacam-se as empresas que pertencem aos setores do comércio por grosso e a retalho (que incluiu o setor de reparação de automóveis) e que pesaram 16% no total de candidaturas apresentadas.

Já as atividades de consultoria científicas e similares concorreram em menor número, representando 6% das candidaturas, embora estejam mais bem representadas na lista das empresas finalistas e vencedores.

A mesma ordem de participação foi igualmente obtida pelas empresas ligadas às atividades de informação e de comunicação.

Ao ramo da construção coube uma fatia de 5%, bem como ao setor dos transportes e armazenagem.
Norte lidera

No que respeita à representatividade regional das concorrentes é, sem grande espanto, a região norte e centro norte a clara dominante. As candidaturas com origem nos distritos do Porto (23%), Braga (17%) Aveiro (17%) e Viana do Castelo (4%) representam 61% do bolo total.

A região de Lisboa rivalizou com Braga e Aveiro, apresentando um nível de projetos muito semelhante, da ordem dos 16%, ficando razoavelmente representada na lista dos finalistas.

Em quinto lugar no ranking geográfico surge Leiria, que foi responsável por 7% das candidaturas, logo seguida de Viana do Castelo (4%), Santarém, Coimbra e Setúbal, todas com 3%. Guarda, Castelo Branco, Faro, Viseu e a Região Autónoma da Madeira aparecem como as regiões menos representada, mas mesmo assim com 1% das candidaturas.

Objetivos e categorias
“Os Prémios Millennium Horizontes são uma iniciativa que pretende valorizar os resultados alcançados pelas empresas portuguesas na sua capacidade de conquistar novos mercados, de se reinventarem em produtos e processos, de constituírem exemplos a seguir, dignos de interesse de parceiros novos, nacionais ou estrangeiros, de se digitalizarem e modernizarem”, explicou a administrada executiva do BCP.

“O elevado nível de adesão faz-nos acreditar que estes prémios são extremamente inclusivos, em que as empresas reconhecem a valia de ter um processo de candidatura simples e imparcial no processo de seleção dos finalistas e vencedores, com duas entidades independentes a avaliar e um júri de reputadas personalidades que determinam os finalistas.”

Para isso, Conceição Lucas acrescenta que “muito contribuíram os parceiros escolhidos para este projeto: a Global Media, como media partner, a Universidade Católica Portuguesa e a Cotec Portugal, como avaliadores das candidaturas, e, obviamente, a AICEP, que nos apoiou no desenho desta iniciativa”.

A primeira edição dos prémios recompensa as melhores empresas que durante 2016 mais se destacaram na projeção da marca Portugal no exterior.

Com três categorias principais – Exportação, Internacionalização e Inovação – e uma especial – Microempresas, a iniciativa distingue uma PME e uma grande empresa em cada uma das categorias.

A conferência de apresentação dos Prémios Millennium Horizontes decorreu em abril, na Pousada de Lisboa, com a explicação dos critérios adotados para a seleção das empresas a cargo do diretor-geral da Cotec, Jorge Portugal.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Ministro das Finanças, Mário Centeno, na apresentação do Orçamento do Estado para 2019. 16 de outubro de 2018. REUTERS/Rafael Marchante

Bruxelas envia carta a Centeno a pedir o triplo do esforço orçamental

lisboa-pixabay-335208_960_720-754456de1d29a84aecbd094317d7633af4e579d5

Estrangeiros compraram mais de mil imóveis por mais de meio milhão de euros

João Galamba (secretário de estado da energia) , João Pedro Matos Fernandes (Ministro para transição energética) e António Mexia  (EDP) durante a cerimonia de assinatura de financiamento por parte do Banco Europeu de Investimento (BEI) da Windfloat Atlantic. Um projecto de aproveitamento do movimento eólico no mar ao largo de Viana do Castelo.
(Reinaldo Rodrigues/Global Imagens)

Mexia diz que EDP volta a pagar a CESE se governo “cumprir a sua palavra”

Outros conteúdos GMG
Indústria apresentou 58% das candidaturas aos prémios