Prémio Inovação NOS

Indústria financeira tem um forte entrave chamado regulação

Carlos Costa, governador do Banco de Portugal
Carlos Costa, governador do Banco de Portugal

Para as startups, a solução tem chegado através de investimento internacional.

A regulação das instituições financeiras é um dos principais entraves a que a aproximação entre os bancos e os negócios inovadores se faça, defenderam os intervenientes no debate O poder da economia digital.

“A indústria financeira está protegida por regulação, o que não acontece no comércio, no turismo, na indústria. Quando prestamos um mau serviço nesses setores, vem um concorrente e leva-nos o cliente. Na banca não”, defende João Vasconcelos, conselheiro da equipa portuguesa da Clearwater International.

“A grande diferença da empresa do Miguel [Santo Amaro, Uniplaces] para a minha é que eu tenho um regulador e ele não”, acrescenta Sebastião Lancastre.

O principal entrave, na opinião de João Vasconcelos, nem é tanto a a legislação portuguesa mas a europeia. “Este é talvez o único setor onde a Europa está em terceiro lugar no mundo. A China e os Estados Unidos já nos deram um baile. No comércio eletrónico, por exemplo. A Europa não consegue manter a sua inteligência, os seus empreendedores, os seus centros de saber e plataformas tecnológicas.”

No entanto, o ex-secretário de Estado da Indústria faz questão de salientar que “o regulador não tem um papel fácil. O nosso [o português], muito menos, porque até há um ano estávamos a falar de sobrevivência e a ver se ainda tínhamos bancos”. Como a banca tradicional não está preparada para ajudar este tipo de negócios, nos últimos dois, três anos, a Uniplaces – como outras empresas da área tecnológica – conseguiu “captar investimento internacional, o que lhes permitiu catapultar o negócio para fora de Portugal”, explica Miguel Santo Amaro, adiantando que a captação de fundos europeus e de outros países tem crescido muito nos últimos anos.

Neste momento, a Uniplaces abdica do lucro para continuar a crescer. “Percebemos que existe uma oportunidade global”, diz o responsável da Uniplaces. A ideia é ter elevados volumes de investimento sem uma fase lucrativa. “É preciso fazer crescer a estrutura para conseguir, daqui a dois ou três anos, alavancá-la. Como a Jerónimo Martins que investiu, durante anos, na Polónia e hoje é um player dominante nesse mercado. A tecnologia não é exceção”, explica. A ambição da Uniplaces é alargar o negócio a outros países da Europa e mesmo para fora da União Europeia.

“Todos os anos há uma rapidez tal, que nos obriga a repensar o modelo de negócio de seis em seis meses, também a nível do recrutamento de talento estamos a competir numa plataforma internacional, ou seja, tenho de atrair talento de Londres, Berlim e EUA”, conclui Miguel Santo Amaro.

Para o CEO da Uniplaces, não estamos a assistir, de forma nenhuma, ao fim da bolha de empreendedorismo em Portugal. “Pelo contrário, acho que é o início de uma oportunidade que Portugal deverá abraçar ainda com mais força”, defende. Até porque “temos excelente tecnologia a nível do online em Portugal”. E é preciso aproveitá-la.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Ministro das Finanças, Mário Centeno, na apresentação do Orçamento do Estado para 2019. 16 de outubro de 2018. REUTERS/Rafael Marchante

Bruxelas envia carta a Centeno a pedir o triplo do esforço orçamental

lisboa-pixabay-335208_960_720-754456de1d29a84aecbd094317d7633af4e579d5

Estrangeiros compraram mais de mil imóveis por mais de meio milhão de euros

João Galamba (secretário de estado da energia) , João Pedro Matos Fernandes (Ministro para transição energética) e António Mexia  (EDP) durante a cerimonia de assinatura de financiamento por parte do Banco Europeu de Investimento (BEI) da Windfloat Atlantic. Um projecto de aproveitamento do movimento eólico no mar ao largo de Viana do Castelo.
(Reinaldo Rodrigues/Global Imagens)

Mexia diz que EDP volta a pagar a CESE se governo “cumprir a sua palavra”

Outros conteúdos GMG
Indústria financeira tem um forte entrave chamado regulação