Como eu poupo para a vida

Miguel Pina Martins: “O PPR é algo que vou manter para sempre”

Miguel Pina Martins, criador da Science4you
Miguel Pina Martins, criador da Science4you

Aos 33 anos, Miguel Pina Martins, um dos sócios fundadores da Science4You, não descura a poupança

Aos 33 anos, Miguel Pina Martins, um dos sócios fundadores da Science4You, não descura a poupança e fá-lo da forma menos arriscada possível: o PPR, a conta poupança para os filhos e as ações que tem há mais de dez anos constituem a rede que, acredita, lhe irá dar um futuro com menos preocupações. O PPR, o principal instrumento de poupança, tem a vantagem de requerer um esforço pequeno no presente.

Ao longo da vida, qual tem sido a sua relação com o dinheiro?
Comecei por ter semanada, tinha uns 6 ou 7 anos. Depois, passou a mesada. E também gostava muito de jogar ao Monopólio. Os meus pais incutiram aos filhos, desde cedo, a importância de poupar e gerir o dinheiro de uma forma inteligente. Quanto mais cedo as crianças tiverem contacto com o dinheiro, mais facilmente vão conseguir fazer isso.

Atualmente, tem uma estratégia de poupança?
Tenho uma conta poupança para os meus filhos, na qual coloco dinheiro todos os meses, e tenho um PPR, para o qual também desconto mensalmente. Depois, há a poupança que vai acontecendo. Quando ainda me é possível poupar mais, investir ou deixar em cash, ótimo. Mas, acima de tudo, é uma estratégia automática, adaptada às necessidades.

Há quanto tempo tem o PPR?
Desde que comprei a casa, foi uma exigência do banco. Mas é algo que vou manter para sempre. Daqui a 30 ou 40 anos vai ser bastante e, se uma pessoa começar já, não custa nada.

Imagina-se a apostar em produtos mais arriscados?
Trabalhei na banca de investimento, em que se vendia muito esse tipo de produto estruturado e o que aprendi na altura é que não vale a pena! Tanto pode correr muito bem como muito mal e eu prefiro não arriscar. Tenho ações que mantenho há muito tempo, mas são de um tipo de empresas em que, em princípio, o risco é curto. Já as tenho há uns dez anos.

Não é um mercado que o alicie?
Não. Porque também já tenho um risco relativamente alto na Science4You, que representa um risco mais alto do que uma ação do PSI 20. Apesar de esse ser um risco que também é encarado como uma poupança, já que eu espero que a Science4You consiga pagar a minha reforma.

A médio e longo prazo, tira vírgula imagina-se a optar por outros produtos de poupança?
Não. Acredito que esta é a estratégia correta e que é para manter. Este é um momento complicado para poupar, porque os juros são baixos, o imobiliário – que normalmente é uma opção interessante – está em valores exorbitantes, as ações já estão em máximos históricos e por isso não há muitas opções. Neste momento a estratégia é poupar para o PPR e para os filhos, porque, no final do dia, é isso que faz mais sentido.

Os seus filhos já têm semanada?
Não, ainda não têm idade: um tem 2 anos e o outro 5 dias! Mas assim que tiverem capacidade para isso, quero começar a dar-lhes semanada para que entendam a importância do dinheiro e façam as escolhas deles. Que também espero que sejam erradas, porque só assim se aprende que o dinheiro não volta e que se tem de esperar até ter mais dinheiro outra vez.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Fotografia: Carlos Manuel Martins/Global Imagens

Cláudia Azevedo. Quem é a mulher que vai mandar na Sonae?

Rui Rio e António Costa em conferência TSF

PSD vai abster-se na votação que altera leis laborais

O antigo ministro da Economia, Manuel Pinho, durante a sua audição na Comissão de Economia, Inovação e Obras Públicas, sobre o seu alegado relacionamento, enquanto Ministro da Economia e da Inovação, e o setor privado, Assembleia da República em Lisboa, 17 de julho de 2018. JOSÉ SENA GOULÃO/LUSA

Pinho: “Não tenho conhecimento de conversas entre Sócrates e Salgado”

Outros conteúdos GMG
Miguel Pina Martins: “O PPR é algo que vou manter para sempre”