Conversas grupo SIMAB

Omnifish está a crescer, mas atenta a futuro difícil

Foto: Omnifish
Foto: Omnifish

Empresa de Peniche vai buscar peixe um pouco por todo o mundo. Administrador alerta para as consequências da sobrepesca.

Numa década de vida, a Omnifish foi crescendo em várias áreas, adaptando-se às necessidades do mercado, o que faz que o negócio do peixe seja positivo, mas o seu administrador não esconde alguma preocupação. Luís Clemente vê o futuro próximo tornar-se difícil num setor onde a sobrepesca continua a ser uma realidade: “Continuamos de olhos fechados e daqui a uns anos não temos acesso a produtos.”

A Omnifish é uma empresa dedicada à comercialização de pescado fresco, com sede em Peniche. “Começámos a trabalhar com a grande distribuição e fomos ao longo destes 10 anos crescendo em várias áreas, desde a restauração, à hotelaria, à pequena peixaria, digamos assim, aos mercados”, explicou Luís Clemente, um dos dois sócios, pois gere a empresa juntamente com Paulo Fonseca.

Há três anos apostaram na presença no Mercado Abastecedor da Região de Lisboa (MARL). “Foi importante porque nos dá acesso a um tipo de clientes que até à data não tínhamos. Ainda há clientes da restauração e da hotelaria que vão diretamente comprar no próprio mercado e as pessoas que trabalham nos mercados centrais de Lisboa, os que vendem ao público, os pequenos mercados, muitos vão ao MARL para comprar”, explicou. Entre Lisboa e Peniche, a empresa emprega cerca de 70 pessoas.

A venda do pescado é feita em Portugal, mas a sua origem é um pouco de todo o mundo. “Desde África – Marrocos, Mauritânia, Senegal, Costa do Marfim – até Espanha, França, Itália, Sri Lanka… Compramos espécies que não existem nos nossos mares.” Do Sri Lanka vem o atum, por exemplo, enquanto a garoupa vem de África, sendo este um peixe muito procurado na restauração e hotelaria, tal como o salmão, dourada e robalo. “Em França compramos bastante choco e alguns peixes que pontualmente não temos cá. Em Portugal é a sardinha que compramos mais.”

Como fator diferenciador, Luís Clemente destaca o “caminho com base na transformação” e assim tentar “dar mais-valia ao produto”. “Tentamos trabalhar mercados de venda, como a restauração e hotelaria, que cada vez mais querem produtos acabados. Nós temos capacidade para transformar, amanhar, o que o cliente quiser. E o caminho será sempre esse. Mesmo a própria distribuição, o caminho que vai fazer-se no futuro vai ser de termos produtos mais transformados de peixe fresco.”

No que diz ser um mercado muito dinâmico, o negócio corre por bem, mas Luís Clemente olha para o futuro com preocupação. “É um negócio com muitas flutuações, com preços muito instáveis. A lei da oferta e da procura faz que o negócio seja muito bom numas alturas e muito mau em outras”, afirmou e não hesita em alertar: “O peixe é um produto que garantidamente vai ser um luxo no futuro. Não é nenhuma fantasia pensarmos que daqui a cinco anos as coisas vão estar diferentes para mais difícil. Há cada vez mais dificuldade em comprarmos e termos acesso ao produto. Cada vez mais temos de procurar origens mais distantes para termos os mesmos produtos que temos hoje.”

O responsável fala da sobrepesca e de como a renovação das espécies não está a acontecer. “Preocupa-me bastante na medida em que continuamos a fechar os olhos ao que se passa à volta. Na Europa, fazemos estas coisas da sardinha, mas depois não se controla noutras origens. É difícil também. Em África há frotas chinesas ou russas que pescam de maneira altamente predatória.”

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
Lisboa,  29/09/2020 - Ursula Von der Leyen, Presidente da Comissão Europeia.
(Paulo Alexandrino/Global Imagens)

Ursula von der Leyen. “Portugal é único e tem agora oportunidades maravilhosas”

Portugal's Prime Minister Antonio Costa speaks during presentation of the European and Portuguese Recovery and Resilience Plans, at Champalimaud Foundation, in Lisbon, Portugal, 29 September 2020. Ursula Von Der Leyen is in Lisbon for a two-day official visit. MÁRIO CRUZ/LUSA

Portugal recorrerá só a subvenções. Empréstimos só quando situação melhorar

ANTONIO COTRIM/ LUSA

Von der Leyen: Instrumento “SURE é um escudo para os trabalhadores e empresas”

Omnifish está a crescer, mas atenta a futuro difícil