Huawei

Portugal tem sido “um laboratório na Europa” para a Huawei

Joao Maria - Sara Mendes - Nuno Antonio - Huawei Portugal

Gigante tecnológica está a soprar as velas do seu 15º aniversário em território nacional, o local onde foi lançado o primeiro telemóvel da marca no velho continente. “Sucesso foi tão grande” que é exemplo lá fora.

Ao fim de 15 anos a operar em Portugal, a marca chinesa é hoje uma das principais do mercado e integra a short list de preferências dos consumidores nacionais e internacionais na altura de adquirir um smartphone. Apesar de existir globalmente desde 1987, a Huawei foi, durante muitos anos, uma empresa dedicada à revenda de equipamentos e à produção de telemóveis com a marca de operadores de telecomunicações, iniciando mais tarde uma linha própria de produtos.

Embora esteja atualmente presente em mais de 170 países e regiões do mundo, foi em território nacional que a gigante tecnológica decidiu lançar o primeiro telemóvel com marca própria. João Matos Maria, Key Account Director, que está na empresa desde 2007, utiliza este exemplo para justificar o facto da Huawei olhar para o país como “um laboratório na Europa” que serviu como rampa de lançamento para o que viria a ser uma organização de sucesso mundial. “O sucesso foi tão grande que fomos apresentar o caso lá fora”, recorda ao Dinheiro Vivo.

João Matos Maria é um dos colaboradores que tem acompanhado a empresa desde os seus primeiros anos em Portugal, onde começou com um escritório com cerca de 20 trabalhadores. Hoje são mais de 120 pessoas, mas nem por isso o espírito de inovação e o foco no cliente se perderam com o crescimento da equipa. “Há uma cultura de ouvir o cliente e de nos adaptarmos às suas necessidades, em vez de irmos apenas vender um produto ou uma solução”, afirma.

A inovação, que corre no sangue da Huawei, foi e continua a ser um dos principais motivos de orgulho dos colaboradores da tecnológica, que além dos telemóveis tem hoje um portefólio “de A a Z na área da engenharia”.

Sara Mendes, Senior Solutions Manager, começou a trabalhar na empresa aos 25 anos e recorda um dos principais marcos do seu percurso aquando da implementação de cabos submarinos nos Açores, um projeto em que esteve diretamente envolvida e que foi, recorda, “muito gratificante”. Sara Mendes realça ainda as possibilidades de networking, já que facilmente está em contacto com outros colaboradores a nível mundial, nomeadamente os da área de Investigação e Desenvolvimento (I&D), para dar a melhor resposta às necessidades dos clientes nacionais. “Na Huawei, sentimos que fazemos a diferença todos os dias”, defende.

Por outro lado, a possibilidade de intercâmbio de colaboradores entre os vários escritórios mundiais da Huawei é, também, uma das mais-valias identificadas pelos trabalhadores, que veem aqui uma oportunidade de crescimento a nível pessoal e profissional.
Quando regressa às memórias de 2006, ano em que entrou na empresa, Nuno António, Delivery & Services Director, lembra que “a principal diferença é que agora somos muito mais conhecidos do que no início”. No entanto, aponta a evolução e o desafio constantes como algo motivador para quem ali trabalha. “Ao longo destes mais de dez anos, sinto que todos os dias são diferentes. Tentamos sempre inovar e evoluir, e sentimos que temos as ferramentas para o alcançar”, destaca.

Além da cultura inovadora, Diogo Madeira da Silva, Head of Public Affairs and Communications, acredita que “as razões do sucesso da Huawei” estão também intimamente ligadas ao foco no cliente e aos investimentos avultados em I&D. Por tudo isto, justifica, “a empresa cresceu mais de cinco vezes desde que chegou ao nosso país”, um resultado que a marca chinesa tem vindo a querer devolver ao território através da contínua aposta no desenvolvimento tecnológico e no talento nacional.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
O presidente do Novo Banco, António Ramalho, discursa na cerimónia de lançamento do Projeto de Divulgação Cultural do Novo Banco. Fotografia: MANUEL DE ALMEIDA/LUSA

Banca custou ao Estado mais 1,5 mil milhões de euros em 2019, agora ajude

coronavirus portugal antonio costa

Proibidos ajuntamentos com mais de cinco pessoas. Aeroportos encerrados

O primeiro-ministro, António Costa, fala aos jornalistas no final da reunião do Conselho de Ministros após a Assembleia da República ter aprovado o decreto do Presidente da República que prolonga o estado de emergência até ao final do dia 17 de abril para combater a pandemia da covid-19, no Palácio da Ajuda, em Lisboa, 2 de abril de 2020. 
 MÁRIO CRUZ/POOL/LUSA

Mapa de férias pode ser aprovado e afixado mais tarde do que o habitual

Portugal tem sido “um laboratório na Europa” para a Huawei