Conversas PortoBay

“Precisamos de aprender a usar bem as redes sociais”

(Nuno Pinto Fernandes / Global Imagens)
(Nuno Pinto Fernandes / Global Imagens)

Oradora motivacional, Mafalda Ribeiro foi a convidada desta semana do ciclo de entrevistas públicas do GrupoPortoBay.

Mafalda Ribeiro estudou Jornalismo e acredita no poder da comunicação, em especial no das redes sociais. “Precisamos de aprender a usar bem as redes sociais. E não dar atenção a coisas sem importância. A comunicação é uma arma”, disse a oradora motivacional, que vive desde sempre com uma doença rara que a obriga a deslocar-se de cadeira de rodas. Acredita no poder da imprensa mas não quer estar do lado dos media. Quer sim explorar formas de passar o melhor possível a sua mensagem através dos meios de comunicação. “Eu respondo àquilo que quero e não àquilo que ele [o jornalista] quer”, afirmou, para dar o exemplo do que podemos conseguir com a mensagem certa e de que é possível manipular os conteúdos e as notícias (no bom sentido) para ajudar as pessoas a serem mais felizes e motivadas. É que, na sua opinião, somos “mornos e distraídos”.

De onde vem toda esta vontade? Durante a entrevista pública do ciclo 30 Portugueses, Um País, desabafou com os presentes que sente que veio a este mundo com uma missão. Enquanto oradora motivacional, dirige-se a todos e não apenas a pessoas com deficiência e usa a sua vida e testemunho “para abanar as consciências.” Demitiu-se dos quadros de uma empresa de comunicação para se lançar por conta própria e hoje é convidada para palestras e eventos.

A Mafalda esteve sempre bem consigo própria como parece estar hoje?, perguntou o moderador. Uma pergunta que lhe fazem com frequência. “Nada satisfaz os jornalistas”, disse. Uma vez, no final de uma entrevista, pediram-lhe para tirar a máscara e contar como era realmente a sua vida. “Não acreditam em mim.” Está certa de que a sua força e otimismo, apesar da doença [osteogénese imperfeita] vêm da sua identidade e finalidade.

A sua mensagem passa pela responsabilização individual. Não temos apenas direitos, mas também deveres e responsabilidades. Cada um tem de fazer a sua parte, sugere. Elogia Ana Sofia Antunes, a atual secretária de Estado para a Inclusão de Pessoas com Deficiência, quando a política, a primeira pessoa cega a ocupar um cargo governativo em Portugal, declara que já chega de falar e que é tempo de agir. Contudo, considera que há uma mudança de mentalidades em Portugal no que toca à defesa dos diretos das pessoas com deficiência.

“Sou como a Mafalda, uma pessoa muito positiva”, disse, sentado entre o público, o convidado desta semana, Tim Vieira. O empreendedor e investidor, que integrou Mafalda Ribeiro na promoção de um dos seus investimentos, o “caderno infinito”, um caderno branco em que se pode escrever com caneta e apagar, diz que somos a média das cinco pessoas com quem passamos mais tempo. E por isso quer estar próximo de Mafalda. “Preciso de ter pessoas assim na vida para melhorar a minha média.”
O empresário Dionísio Pestana será o convidado da próxima semana deste ciclo de encontros.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
fitch rating dívida riscos políticos

Centeno vai além da meta. Défice público cai para 0,5% do PIB em 2018

fitch rating dívida riscos políticos

Centeno vai além da meta. Défice público cai para 0,5% do PIB em 2018

João Vasconcelos 
(Nuno Pinto Fernandes / Global Imagens)

Morreu João Vasconcelos, ex-secretário de Estado da Indústria

Outros conteúdos GMG
Conteúdo TUI
“Precisamos de aprender a usar bem as redes sociais”