Conferências PME

Seguradoras têm de acompanhar revolução do mercado

Segunda de um ciclo de sete conferências lançadas pela Ageas Seguros, em parceria com a Ordem dos Economistas. 
Na foto: Mesa Redonda com Camilo Lourenço, Tiago Marques Pereira, Rui Carvalho, Paulo Meireles, Miguel Gonçalves e Gustavo Barreto
(Paulo Jorge Magalhães/Global Imagens)
Segunda de um ciclo de sete conferências lançadas pela Ageas Seguros, em parceria com a Ordem dos Economistas. Na foto: Mesa Redonda com Camilo Lourenço, Tiago Marques Pereira, Rui Carvalho, Paulo Meireles, Miguel Gonçalves e Gustavo Barreto (Paulo Jorge Magalhães/Global Imagens)

Iniciativa da Ageas debateu como a atividade seguradora pode ajudar as empresas.

A Ageas Seguros acompanha a evolução do mercado e da sociedade, ao colocar a tónica numa “evolução para uma lógica de serviço, de consultoria e de aconselhamento”, indo ao encontro dos interesses e necessidades dos clientes, garantiu José Gomes, da comissão executiva do Grupo Ageas Portugal, durante a Conferência Fórum PME Global que decorreu no passado dia 29 de outubro no Fórum Braga. O evento, desenvolvido em parceria com a Ordem dos Economistas, pretendeu debater o contributo da atividade seguradora para a produtividade nas empresas. Com especial enfoque nas pequenas e médias empresas, que constituem a maioria do tecido empresarial português, realçou António Cunha, presidente da delegação norte da Ordem dos Economistas.

Em palco estiveram empresários para falar das suas preocupações, a começar pela qualificação dos recursos. Miguel Gonçalves, empresário e fundador da Spark Agency, realçou que Portugal está a atrair centros de tecnologia que necessitam de muita mão-de-obra especializada. “O grande tema que temos de corrigir neste momento é como vamos conseguir formar mais cinco mil engenheiros por ano? Se conseguíssemos, neste momento havia mercado para eles. Este é um grande obstáculo para as empresas”, disse. Daí que, segundo, Rui Carvalho, sócio-gerente da CST – Grupo Cartonagem, seja necessário que as empresas saibam ser “inventivas” para “atrair a mão-de-obra qualificada” necessária.
Os negócios estão em mudança e o das seguradoras terá de acompanhar, explicou o administrador do Grupo M&Costas, Paulo Meireles. Devido aos carros elétricos, exemplifica, “haverá uma revolução nos próximos 10 a 20 anos”, criando “muitos desafios e incertezas”.

Segundo Gustavo Barreto, diretor de distribuição e marketing, para além da construção de soluções de proteção tradicionais, a Ageas tem vindo a percorrer um caminho que aposta na consultoria, serviço de análise e prevenção de riscos. Os agentes “podem ajudar empresas a construir soluções de proteção e de prevenção e análise de risco”. Um serviço que tem vantagens mútuas e que é “personalizado” e “gratuito para as nossas empresas seguradas, a maioria das quais pequenas e médias empresas”, realça Gustavo Barreto.

Os empresários, alerta Tiago Marques Pereira, administrador do Grupo José Pimenta Marques, devem estar “disponíveis para ouvir e fazer análise de custo e benefício”.

Gestão de risco
Carmo Oliveira, diretora técnica do grupo Ageas Portugal, lembrou que o empresário suporta “quatro vezes mais risco” do que a seguradora, pois há custos indiretos de um acidente que não podem ser transferidos, como por exemplo os que estão associados ao investimento na formação de um novo trabalhador ou o lucro que se deixou de gerar porque uma fábrica parou devido a um incêndio.

Por isso, a prevenção e a gestão de incidentes, que podem originar acidentes, não devem ser menosprezadas. “Por cada 300 incidentes, dez por cento vão dar origem a acidentes, um dos quais grave”, refere Carmo Oliveira, apontando as estatísticas conhecidas e lembrando que a Ageas tem um serviço de consultoria nesta área, que dá resposta às micro, pequenas e médias empresas, e não apenas às grandes.

A prevenção, relembra a responsável na palestra “Prevenção e gestão de risco como chave da eficiência do negócio”, é uma boa aposta pois, indica, segundo um estudo da Agência Europeia para Saúde e Segurança no Trabalho, cada euro investido em prevenção tem um retorno superior a dois euros.
O ciclo de conferências prossegue dia 30, na Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
A ministra do Trabalho, Ana Mendes Godinho (D), e o secretário de Estado do Emprego, Miguel Cabrita (E). Fotografia: MANUEL DE ALMEIDA/LUSA

Salário mínimo de 635 euros? Dos 617 dos patrões aos 690 euros da CGTP

concertação

Governo sobe, sem acordo, salário mínimo até 635 euros em 2020

concertação

Governo sobe, sem acordo, salário mínimo até 635 euros em 2020

Outros conteúdos GMG
Seguradoras têm de acompanhar revolução do mercado