Revolução 4.0

Tecnologias 4.0 como porta para a internacionalização

Industrial Supply: Internationale Leitmesse für innovative Zulieferlösungen und Leichtbau, Salzgitter AG, Halle 5, Stand A06
Industrial Supply: Internationale Leitmesse für innovative Zulieferlösungen und Leichtbau, Salzgitter AG, Halle 5, Stand A06

São cada vez mais as empresas nacionais a marcar presença no mercado internacional com produtos que incorporam – ou têm na sua génese – tecnologia inovadora.

Apostar no desenvolvimento de produtos e soluções tecnológicas adaptadas à lógica da indústria 4.0 potencia não só o crescimento e reconhecimento no mercado interno mas também acaba por ser uma porta de entrada para os mercados internacionais. Uma experiência que é cada vez mais comum entre as empresas portuguesas.

A Tekon Electronics é a marca desenvolvida pela Bresimar – empresa de Aveiro com 38 anos de experiência na área dos sistemas e soluções para automação industrial – para dar respostas mais eficazes às necessidades no âmbito da indústria 4.0. “A Tekon Electronics resulta do desenvolvimento do departamento de I&D criado em 2011 e trouxe-nos a oportunidade de projetar os produtos desenvolvidos pela Bresimar Automação num contexto internacional, permitindo a penetração em novos mercados e o trabalhar de novas soluções em novos contextos”, explica Hugo Oliveira, gestor de marketing da empresa.

A Bresimar começou como representante de marcas de automação mas a evolução do negócio levou-a a apostar também na conceção e no desenvolvimento das suas próprias soluções. O departamento de Investigação & Desenvolvimento surgiu assim para criar produtos que dessem resposta às necessidades de conectividade e automação da indústria. As soluções são desenvolvidas tanto na vertente de hardware, com transmissores wireless para a recolha e transmissão de dados, como de software com a criação da Tekon IoT Platform. “É uma plataforma que agrega todos os dados recolhidos em chão de fábrica, permitindo uma tomada de decisão mais eficaz”, explica Hugo Oliveira.

A Tekon Electronics está presente em nove mercados (Reino Unido, Itália, Polónia, Noruega, Letónia, Austrália, Brasil, Colômbia e, mais recentemente, Áustria) e em 2020 a empresa espera que as exportações tenham um peso de 20% no seu volume de negócios, continuando a crescer nos próximos anos. Uma tendência ancorada na cada vez maior importância dos dados na indústria 4.0. “Os dados são o novo petróleo. E o principal desafio que encontramos enquanto fabricantes é conseguir que o nosso hardware acompanhe esta tendência e que o nosso software possa acrescentar valor que permita aos nossos clientes retirar valia dos dados que lhes chegam à plataforma.”

A Controlar – Eletrónica Industrial e Sistemas, Lda também registou um crescimento nos seus negócios internacionais que atualmente representam 45% da faturação. Dedicada à produção de componentes eletrónicos para automóvel, a Controlar testa a produção de equipamentos, em segmentos como o infotainment automóvel, um segmento que a colocou sempre na linha da frente da inovação tecnológica. “O nosso reconhecimento de marca deve-se ao nosso know-how e à capacidade de inovar num mercado tão competitivo como é o setor automóvel, bem como na área de testes e automatização de processos”, garante Carlos Alcobia, gestor global de IDI da Controlar.

Todos os produtos desenvolvidos pela empresa incluem tecnologias 4.0, com destaque para a realidade virtual e o IoT. “As nossas máquinas são já produzidas num formato da indústria 4.0”, diz o responsável que afirma que a empresa, especializada na criação de soluções à medida, está agora a avançar para a standardização de alguns dos seus produtos. “Estamos a lançar produtos que tentam uniformizar a oferta e um catálogo mais alargado”, explica Carlos Alcobia, para quem a experiência acumulada vai permitir continuar o processo de internacionalização que já colocou a empresa em mercados tão distantes como a Malásia, o México, a Índia ou a Alemanha. “Temos potencial para crescer no mercado externo e não apenas na área automóvel, já que o nosso know-how permite-nos ir para áreas como aeronáutica, aeroespacial, defesa, informática de consumo.” A inovação continuará a ser uma marca distintiva da Controlar. “A tendência é para continuar a incorporar mais soluções da indústria 4.0 nas nossas máquinas e nos nossos novos produtos , quase numa vertente de tendências futuras”, afirma.

Jorge Portugal: Há carência de técnicos em tecnologias 4.0

Falta de oferta de recursos humanos em tecnologias 4.0 é uma lacuna que representa uma “oportunidade para todo o sistema educativo e de formação técnico-profissional”, sublinha o diretor-geral da COTEC.

Portugal tem recursos humanos suficientes (e suficientemente preparados) para dar resposta à procura das empresas que desenvolvem soluções de tecnologia 4.0?
O país tem uma forte carência na oferta de técnicos em tecnologias 4.0, a todos os níveis e fases do ciclo de educação e formação. Esta lacuna representa um grande desafio coletivo na transição digital e igualmente uma oportunidade para todo o sistema educativo e de formação técnico-profissional de, através de maior proximidade com as empresas, criarem novas ofertas formativas e adaptarem as ofertas clássicas incorporando os conceitos e possibilidades da tecnologia 4.0.

O que distingue as empresas portuguesas (e as suas soluções) nos mercados internacionais?
Em geral, embora existam exceções, apresentam soluções que permitem maior flexibilidade e adaptação às necessidades específicas das empresas, especialmente das PME com menores recursos.

Quais as áreas de negócio e/ou segmentos de mercado com maior potencial de expansão dentro das tecnologias 4.0?
Automação e inteligência artificial, análise de dados, realidade aumentada, cibersegurança e simulação e gestão do ciclo de vida do produto são algumas das áreas de forte crescimento nos próximos anos.

 

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
coronavirus turismo turistas

ISEG. Recessão em Portugal pode chegar a 8% este ano

A ministra do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, Ana Mendes Godinho. JOÃO RELVAS/LUSA

Pedidos de lay-off apresentados por 33.366 empresas

coronavirus lay-off trabalho emprego desemprego

Rendimento básico incondicional? “Esperamos não ter de chegar a esse ponto”

Tecnologias 4.0 como porta para a internacionalização