Petróleo

Arábia Saudita vai reduzir já este mês as exportações de petróleo

Ministro da Energia da Arábia Saudita, Khalid al-Falih, durante uma conferência de imprensa esta quarta-feira, em Riyadh. 9 de janeiro de 2019. REUTERS/Faisal Al Nasser
Ministro da Energia da Arábia Saudita, Khalid al-Falih, durante uma conferência de imprensa esta quarta-feira, em Riyadh. 9 de janeiro de 2019. REUTERS/Faisal Al Nasser

A Arábia Saudita vai reduzir já em janeiro as suas exportações de petróleo em 10% face a novembro para estabilizar os preços.

A Arábia Saudita vai reduzir este mês as suas exportações de petróleo em 10% face a novembro para estabilizar os preços, indicou esta quarta-feira o ministro da Energia do país.

Primeiro exportador mundial de petróleo, o reino saudita reduzirá as exportações em 800 mil barris por dia para 7,2 milhões em janeiro, face aos 8 milhões de barris por dia registados em novembro, precisou Khalid al-Falih. Uma redução suplementar de 100 mil barris por dia está prevista para fevereiro.

A Organização dos Países Exportadores de Petróleo (OPEP), de que a Arábia Saudita faz parte, e outros países aliados decidiram em dezembro reduzir coletivamente a produção em 1,2 milhões de barris por dia a partir de 01 de janeiro para pôr fim ao excesso de oferta e impulsionar os preços.

Falih afirmou que a produção saudita desceu para 10,2 milhões de barris por dia, contra os 11 milhões de barris extraídos diariamente até maio passado, quando os produtores de petróleo decidiram terminar o acordo para a limitação da oferta.

“Queremos seriamente encontrar um equilíbrio dos mercados”, disse Falih numa conferência de imprensa em Riade, manifestando preocupação com a volatilidade dos preços do petróleo.

O preço do barril de petróleo caiu no fim de 2018 para o nível mais baixo em ano e meio (49,93 dólares para o Brent, de referência na Europa) depois de ter estado em outubro acima de 85 dólares.

Esta descida do petróleo foi explicada por uma produção excessiva e pelo receio de uma guerra comercial entre o maior importador mundial, a China, e o primeiro produtor, os Estados Unidos.

Nos últimos dias, os preços têm vindo a recuperar após a entrada em vigor em janeiro dos limites na produção decididos pela OPEP em dezembro.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
fitch rating dívida riscos políticos

Taxa de juro da nova dívida cai para mínimo histórico de 1,8% em 2018

Fotografia: REUTERS/ Carlos Barria

China põe marcas de luxo a bater recordes

notas

Crédito cresce nas famílias mas ainda encolhe nas empresas

Outros conteúdos GMG
Conteúdo TUI
Arábia Saudita vai reduzir já este mês as exportações de petróleo