Automóvel

BMW investe mais 3,6 mil milhões em fabricante chinesa

O aumento da produção e a produção de novos modelos estão na origem do investimento de 25% na chinesa Brilliance.

A BMW anunciou que vai aumentar a participação na joint venture que tem com a empresa chinesa de automóveis chinesa Brilliance Automotive, de 50% para 75%.

De acordo com a BMW, citada pela imprensa internacional, o negócio com a chinesa está avaliado em 4,1 mil milhões de dólares (3,6 mil milhões de euros) e deverá ser fechado em 2022, altura em que as regras sobre o limite da participação estrangeira em empresas chinesas serão suspensas.

Esta alteração deverá incentivar a marca de automóveis de luxo a transferir um maior volume de produção para o país.

Com o recente cenário das tensões comerciais como pano de fundo, o governo chinês comprometeu-se a abrir mais a porta para o mercado do país e a reduzir os impostos sobre veículos importados.

“Começaremos uma nova era”, afirmou na quarta-feira o presidente executivo da empresa alemã, Harald Krueger, num discurso em Shenyang.

“A China está rapidamente a converter-se numa importante base de desenvolvimento e produção, incluindo de veículos movidos a novas energias”, acrescentou.

O aumento em 25% da participação da BMW na Brilliance é justificado pela intenção da marca em aumentar a produção automóvel nas fábricas em Shenyang e em produzir modelos adicionais, como os carros elétricos.

Para além do investimento nesta joint venture chinesa, a BMW está também a trabalhar numa nova parceria para a Mini com a Great Wall Motor Co. da China.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Ministro das Finanças, Mário Centeno, na apresentação do Orçamento do Estado para 2019. 16 de outubro de 2018. REUTERS/Rafael Marchante

Bruxelas envia carta a Centeno a pedir o triplo do esforço orçamental

lisboa-pixabay-335208_960_720-754456de1d29a84aecbd094317d7633af4e579d5

Estrangeiros compraram mais de mil imóveis por mais de meio milhão de euros

João Galamba (secretário de estado da energia) , João Pedro Matos Fernandes (Ministro para transição energética) e António Mexia  (EDP) durante a cerimonia de assinatura de financiamento por parte do Banco Europeu de Investimento (BEI) da Windfloat Atlantic. Um projecto de aproveitamento do movimento eólico no mar ao largo de Viana do Castelo.
(Reinaldo Rodrigues/Global Imagens)

Mexia diz que EDP volta a pagar a CESE se governo “cumprir a sua palavra”

Outros conteúdos GMG
BMW investe mais 3,6 mil milhões em fabricante chinesa