banca

Brexit. Mais de um quarto das empresas foge de Londres

brexit-1477302_960_720

Goldman Sachs, JPMorgan Chase e Deutsche Bank, entre outros bancos de investimento, já detalharam os seus planos de contingência nas últimas semanas.

Mais de um quarto das empresas britânicas de serviços financeiros já garantiram que irão deslocar os seus trabalhadores ou as suas operações para o estrangeiro, podendo em alternativa rever o seu domicílio fiscal por causa do Brexit, revela um estudo da consultora EY, citado pela Bloomberg.

Na prática, trata-se de um aumento de 50%, só este ano, no número de bancos, seguradoras e gestoras de património que anunciaram publicamente os seus planos para sair de território britânico, num momento em que já começou a contagem decrescente para a saída do Reino Unido da União Europeia em março de 2019.

Estando a monitorizar 222 empresas financeiras, a EY refere que oito dos maiores bancos de investimento – entre eles, Goldman Sachs, JPMorgan Chase e Deutsche Bank – já detalharam os seus planos de contingência nas últimas semanas.

Desta forma, a cidade de Londres poderá perder cerca de 10.000 empregos no setor da banca e outros 20.000 na área dos serviços financeiros, de acordo com o think tank Bruegel. As piores projeções dão conta de uma redução que poderá ascender a uma perda de 232 mil postos de trabalho na sequência do Brexit.

 

 

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
O primeiro-ministro, António Costa (E), conversa com o ministro de Estado e das Finanças, Mário Centeno (D), durante o debate parlamentar de discussão na generalidade do Orçamento do Estado para 2020 (OE2020), esta tarde na Assembleia da República, em Lisboa, 09 de janeiro de 2020. MIGUEL A. LOPES/LUSA

Subida do PIB em 2019 chega aos 2,2% com revisão nas exportações de serviços

Fotografia: TIAGO PETINGA/LUSA

Novo Banco prevê redução de 1,7 mil milhões de malparado em 2020

Sede do Novo Banco, ex-BES, na Avenida da Liberdade.
(Ângelo Lucasl / Global Imagens )

Novo Banco não afasta que possa vir a pedir mais capital ao Fundo de Resolução

Brexit. Mais de um quarto das empresas foge de Londres