Brexit

Brexit: May admite que risco de sair sem acordo está a aumentar

Theresa May, primeira-ministra britânica, fala no parlamento britânico. 10 de dezembro de 2018. REUTERS
Theresa May, primeira-ministra britânica, fala no parlamento britânico. 10 de dezembro de 2018. REUTERS

Theresa May admitiu que o risco do Reino Unido sair da UE sem acordo é maior e rejeitou tanto um novo referendo como ficar numa união aduaneira.

A primeira-ministra britânica admitiu esta segunda-feira que o risco de uma saída sem acordo “acidental” da União Europeia está a aumentar, rejeitando tanto um novo referendo como ficar numa união aduaneira.

“Enquanto não concordarmos num acordo, o risco de uma ausência de acordo acidental aumenta. Assim, o governo vai intensificar o seu trabalho em preparação para esse resultado potencial”, avisou Theresa May.

A chefe do governo anunciou esta segunda-feira na Câmara dos Comuns o adiamento da votação do acordo de saída do Reino Unido da União Europeia (UE) devido ao risco de derrota, Theresa May reiterou a convicção de que o texto pode ser aprovado “se puder garantir garantias adicionais” sobre a questão da Irlanda do Norte.

May disse que vai participar no Conselho Europeu de quinta e sexta-feira em Bruxelas e tentar negociar com os homólogos de outros Estados membros e dirigentes europeus “garantias adicionais” sobre a questão da fronteira da Irlanda do Norte.

Mas a chefe do governo também avisou que o parlamento enfrenta o dilema sobre a forma de concretizar o ‘Brexit’, e se o quer fazer de forma ordeira, através de um acordo.

“Se a resposta for sim, e penso que essa é a resposta da maioria desta Câmara, temos de nos questionar se estamos preparados para fazer um compromisso”, defendeu, apontando os defeitos das alternativas.

Um segundo referendo, apontou, “arrisca-se a dividir o país de novo”, ficar na união aduaneira “exigiria a livre circulação, o cumprimento de regras em toda a economia e as contribuições financeiras em curso” e sair sem um acordo “causaria um dano económico significativo a partes do nosso país”.

Theresa May não soube precisar quando terá lugar o voto ao acordo, alegando que vai depender das conversas com a União Europeia e a República da Irlanda, que faz fronteira com a Irlanda do Norte e que terá de aprovar o mecanismo para evitar controlos sobre o movimento de bens e pessoas.

“Até essas discussões começarem, não é possível dizer quanto tempo vai ser necessário. Já foram feitas referências à data de 21 de janeiro. Eu quero trabalhar o mais rápido e urgentemente possível”, sublinhou.

A primeira-ministra referia-se ao prazo em que, de acordo com a legislação, o governo teria de fazer uma declaração aos deputados caso ainda não tivesse sido aprovado um acordo para a saída, mas o parlamento indicou que esta data já não tem de ser cumprida porque o governo entende que existe um acordo.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Caixa Geral Depósitos CGD Juros depósitos

Caixa perdeu 1300 milhões com créditos de grandes devedores

Ursula von der Leyen foi o nome nomeado para presidir à Comissão Europeia. (REUTERS/Francois Lenoir)

Parlamento Europeu aprova Von der Leyen na presidência da Comissão

Christine Lagarde, diretora-geral demissionária do FMI. Fotografia: EPA/FACUNDO ARRIZABALAGA

Christine Lagarde demite-se da liderança do FMI

Outros conteúdos GMG
Brexit: May admite que risco de sair sem acordo está a aumentar