Reino Unido

Ruas de Londres enchem-se de manifestantes contra o brexit

EU supporters, calling on the government to give Britons a vote on the final Brexit deal, participate in the 'People's Vote' march in central London, Britain March 23, 2019. REUTERS/Kevin Coombs
EU supporters, calling on the government to give Britons a vote on the final Brexit deal, participate in the 'People's Vote' march in central London, Britain March 23, 2019. REUTERS/Kevin Coombs

A "People's Vote March" (“Marcha do Voto Popular”) começou pouco depois do meio-dia e serpenteou de Park Lane e outros locais da capital britânica

Dezenas de milhar de manifestantes anti-brexit desfilaram este sábado em Londres, exigindo que o Governo, liderado pelos conservadores, realize um novo referendo sobre a saída da União Europeia.

A “People’s Vote March” (“Marcha do Voto Popular”) começou pouco depois do meio-dia e serpenteou de Park Lane e outros locais da capital britânica, para convergir no parlamento, onde o destino do ‘Brexit’ será decidido nas próximas semanas.

Muitos manifestantes carregavam bandeiras e símbolos da União Europeia (UE), elogiando os laços de longa data entre o Reino Unido e a Europa continental.

O líder liberal-democrata, Vince Cable, convidado para ajudar a liderar a marcha, qualificou a multidão reunida como impressionante e unificada, segundo noticia a AP.

“Há uma enorme afluência de pessoas de todas as camadas sociais, idades e de todo o país”, afirmou Cable na sua conta na rede social Twitter.

“Somos um país que quer ficar com a UE, agora com 60% que quer parar a trapalhada do ‘Brexit’”, escreveu no ‘tweet’.

Mais de quatro milhões de pessoas “assinaram” uma petição eletrónica esta semana a favor da revogação do Artigo 50.º, o ato que formalmente desencadeou o ‘Brexit’, que os britânicos votaram há três anos.

‘People’s Vote’ (Voto Popular) é uma campanha independente apoiada por grupos pró-europeus de cidadãos, estudantes, profissionais de saúde e cientistas, como Open Britain, European Mouvement UK, Britain for Europe, Scientists for UE, NHS for a People’s Vote, Our Future Our Choice, For Our Future’s Sake, Wales for Europe e InFacts.

A campanha quer que um novo referendo ofereça a escolha entre um acordo aprovado pelo parlamento e a opção de permanecer na UE e defende que o resultado seja vinculativo, ao contrário do referendo de 2016.

Uma sondagem divulgada esta semana indicava que o apoio a um novo referendo relativo ao ‘Brexit’ aumentou após a rejeição no parlamento britânico pela segunda vez, em 12 de março, do Acordo de Saída negociado com Bruxelas pelo Governo de Theresa May.

Segundo o Instituto YouGov, 56% dos eleitores são favoráveis a um novo referendo e 44% opõem-se.

O Conselho Europeu concordou na quinta-feira com uma extensão do Artigo 50.º até 22 de maio, desde que o Acordo de Saída seja aprovado pela Câmara dos Comuns na próxima semana, ou 12 de abril, se for chumbado, rejeitando assim o pedido de Londres de adiar o ‘Brexit até 30 de junho.

O Governo britânico pretende submeter o Acordo de Saída por uma terceira vez aos deputados esta semana, depois de dois chumbos, um em janeiro por uma diferença de 230 votos e outro em março por uma margem de 149 votos.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Facebook's founder and CEO Mark Zuckerberg reacts as he speaks at the Viva Tech start-up and technology summit in Paris, France, May 24, 2018. REUTERS/Charles Platiau - RC11ABE16B10

Abusos nos dados privados pode custar ao Facebook entre 3 a 5 mil milhões

Foto: Global Imagens

Jovens licenciados portugueses com maior probabilidade de terem salários baixos

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa,  intervem durante a sessão solene comemorativa dos 45 anos da Revolução de 25 de Abril na Assembleia da República em Lisboa, 25 de abril de 2019. ANTÓNIO COTRIM/LUSA

Presidente da República pede “mais ambição” para resolver problemas

Outros conteúdos GMG
Conteúdo TUI
Ruas de Londres enchem-se de manifestantes contra o brexit