Brasil

Governo de Bolsonaro quer privatizar ou fechar cerca de cem empresas públicas

O novo presidente do Brasil, Jair Bolsonaro Fotografia: Sergio Moraes / Reuters
O novo presidente do Brasil, Jair Bolsonaro Fotografia: Sergio Moraes / Reuters

Novo ministro da Infraestrutura do governo de Bolsonaro, Tarcísio Gomes de Freitas, disse que vão fechar ou ser privatizadas cerca de cem empresas.

O Governo do Presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, pretende “privatizar ou fechar” uma centena de empresas públicas para reduzir a dívida, disse hoje o novo ministro da Infraestrutura, Tarcísio Gomes de Freitas.

“Se levar em conta essas subsidiárias, é possível chegar a um número próximo de 100. Falamos não só de privatizações, mas também de liquidação de empresas que hoje não fazem tanto sentido”, disse o ministro em entrevista à rádio CBN.

“Esses encerramentos de empresas públicas ajudarão a aliviar o orçamento, para que os fundos sejam investidos em outras prioridades”, acrescentou Gomes de Freitas.

O programa económico de Jair Bolsonaro planeia acelerar e intensificar o plano de privatização iniciado pelo ex-Presidente de centro-direita Michel Temer.

Durante a campanha, Bolsonaro disse que das 138 empresas estatais que dependem do governo federal, “100 delas poderiam ser privatizadas”.

A meta do novo Governo é reduzir a profunda dívida do Brasil em cerca de 20%, principalmente através de privatizações.

O Brasil é um dos países do mundo com maior número de empresas estatais, incluindo a gigante Petrobras, a Eletrobras e a Caixa Económica Federal, empresas essas que também possuem inúmeras subsidiárias.

Tendo também em conta as empresas que dependem dos estados ou municípios brasileiros, o número total sobe para 418, segundo um estudo recente realizado pela Fundação Getúlio Vargas (FGV).

No entanto, o programa de Jair Bolsonaro não pretende privatizar as principais atividades da petrolífera Petrobras e de outras empresas públicas consideradas estratégicas, mas sim a venda de determinados ativos.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
Taça Portugal - Benfica vs Sporting

Benfica encaixa 50 milhões. SAD fala em “capacidade acrescida de tesouraria”

A ministra de Estado e da Presidência, Mariana Vieira da Silva ,à chegada para a reunião da Comissão Permanente de Concertação Social, em Lisboa, 26 de fevereiro de 2020. ANTÓNIO COTRIM/LUSA

Governo mantém todas as restrições na Grande Lisboa por mais 15 dias

Ministro dos Negócios Estrangeiros, Augusto Santos Silva, (MIGUEL A. LOPES/LUSA)

Governo exige que Bélgica retire Alentejo e Algarve de zonas arriscadas

Governo de Bolsonaro quer privatizar ou fechar cerca de cem empresas públicas