Brasil

Governo de Bolsonaro quer privatizar ou fechar cerca de cem empresas públicas

O novo presidente do Brasil, Jair Bolsonaro Fotografia: Sergio Moraes / Reuters
O novo presidente do Brasil, Jair Bolsonaro Fotografia: Sergio Moraes / Reuters

Novo ministro da Infraestrutura do governo de Bolsonaro, Tarcísio Gomes de Freitas, disse que vão fechar ou ser privatizadas cerca de cem empresas.

O Governo do Presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, pretende “privatizar ou fechar” uma centena de empresas públicas para reduzir a dívida, disse hoje o novo ministro da Infraestrutura, Tarcísio Gomes de Freitas.

“Se levar em conta essas subsidiárias, é possível chegar a um número próximo de 100. Falamos não só de privatizações, mas também de liquidação de empresas que hoje não fazem tanto sentido”, disse o ministro em entrevista à rádio CBN.

“Esses encerramentos de empresas públicas ajudarão a aliviar o orçamento, para que os fundos sejam investidos em outras prioridades”, acrescentou Gomes de Freitas.

O programa económico de Jair Bolsonaro planeia acelerar e intensificar o plano de privatização iniciado pelo ex-Presidente de centro-direita Michel Temer.

Durante a campanha, Bolsonaro disse que das 138 empresas estatais que dependem do governo federal, “100 delas poderiam ser privatizadas”.

A meta do novo Governo é reduzir a profunda dívida do Brasil em cerca de 20%, principalmente através de privatizações.

O Brasil é um dos países do mundo com maior número de empresas estatais, incluindo a gigante Petrobras, a Eletrobras e a Caixa Económica Federal, empresas essas que também possuem inúmeras subsidiárias.

Tendo também em conta as empresas que dependem dos estados ou municípios brasileiros, o número total sobe para 418, segundo um estudo recente realizado pela Fundação Getúlio Vargas (FGV).

No entanto, o programa de Jair Bolsonaro não pretende privatizar as principais atividades da petrolífera Petrobras e de outras empresas públicas consideradas estratégicas, mas sim a venda de determinados ativos.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Alberto Souto de Miranda
(Gerardo Santos / Global Imagens)

Governo. “Participar no capital” dos CTT é via “em aberto”

Congresso APDC

“Temos um responsável da regulação que não regula”

Congresso APDC

Governo. Banda larga deve fazer parte do serviço universal

Outros conteúdos GMG
Governo de Bolsonaro quer privatizar ou fechar cerca de cem empresas públicas