Silicon Valley

O carro passou a ser a casa de muitos trabalhadores

Ellen Tara James-Penney, professora assistente na Universidade de San Jose, corrige os trabalhos dos seus alunos no carro, que também serve de "quarto" para dormir.
Foto: D.R.
Ellen Tara James-Penney, professora assistente na Universidade de San Jose, corrige os trabalhos dos seus alunos no carro, que também serve de "quarto" para dormir. Foto: D.R.

O boom económico das tecnológicas e décadas de construção insuficiente causaram uma escassez histórica de habitações de preços acessíveis.

Os automóveis passaram a ser a casa de muitos trabalhadores da região de Silicon Valley na Califórnia.

Ainda não há nenhuma estimativa oficial sobre o número de pessoas que vivem nesta situação na região, conhecida por ser a sede de muitas empresas tecnológicas como a Google, mas os veículos estacionados nas ruas da cidade são bem visíveis para todos os que por lá passam.

O boom económico das tecnológicas e décadas de construção insuficiente causaram uma escassez histórica de habitações de preços acessíveis. A crise crescente na Costa Oeste dos Estados Unidos levou ao aumento do número de pessoas a viver nas ruas nos últimos dois anos em muitas cidades.

Uma pesquisa realizada este ano concluiu que existem pelo menos 168 mil moradores de rua nos Estados da Califórnia, Oregon e Washington, o que representa mais 20 mil do que na pesquisa anterior, efetuada em 2015.

Os defensores dos moradores de rua e as autoridades municipais consideram absurdo que milhares de famílias não consigam pagar uma casa, numa região com jovens milionários.

Muitos moradores de rua têm empregos regulares. Em muitos casos trabalham para as pessoas cujos patrimónios são o motivo para que o preço da habitação se tenha tornado inacessível para tantas pessoas, acusam os sindicatos e as organizações de defesa dos direitos civis, que há três anos criaram a Silicon Valley Rising, que defende a melhoria dos salários para as pessoas com rendimentos mais baixos.

Ellen Tara James-Penney, de 54 anos, é uma delas. Esta professora assistente na Universidade de San José estaciona o seu velho Volvo ao pé de uma igreja, onde se alimenta, e serve de refúgio aos moradores de rua.

É no carro que corrige os trabalhos escolares dos seus alunos e dorme à noite com um dos seus cães. Jim, o marido, é alto demais para dormir na viatura e por isso dorme numa barraca perto com o outro cão do casal.

Tes Saldana e os seus três filhos adultos vivem numa caravana estacionada na rua. “Não é uma situação muito agradável”, admite.

Saldana ainda tentou arranjar uma habitação mas o valor das rendas é de três mil dólares ou mais por mês e a maioria das casas disponíveis fica longe. E por isso decidiu continuar a morar na caravana estacionada perto de onde trabalha, apesar das recentes medidas repressivas da cidade que a fizeram perder a sua vaga de estacionamento.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Trump Xi China

Trump ameaça China. “Não precisamos deles, esta é uma grande oportunidade”

Emmanuel Macron, presidente francês. Fotografia: Direitos Reservados

Fogos na Amazónia: França e Irlanda ameaçam bloquear acordo com Mercosul

O ministro do Ambiente e da Transição Energética, João Pedro Matos Fernandes, intervém durante uma conferência de imprensa para fazer o ponto de situação sobre a crise energética, no Ministério do Ambiente e da Transição Energética, em Lisboa, 13 de agosto de 2019. JOÃO RELVAS / LUSA

Ministro do Ambiente: “Há cada vez mais condições” para que greve não aconteça

Outros conteúdos GMG
O carro passou a ser a casa de muitos trabalhadores