Grécia

Recessão grega três vezes mais destrutiva que em Portugal

Fotografia: Alkis Konstantinidis/Reuters
Fotografia: Alkis Konstantinidis/Reuters

Durante os anos de recessão, destruição de riqueza na Grécia foi de 23% face a 2010, quando a troika chegou a Atenas. PIB ainda não recuperou.

A data está marcada desde o final de junho: 20 de agosto de 2018. O dia marca o fim do programa de ajustamento económico e financeiro (PAEF) da Grécia. Uma expressão que ficou tão conhecida lá como cá. Mas lá foram três planos, sempre retirados a “ferros” das longas reuniões dos líderes europeus em Bruxelas. Ao todo, os parceiros europeus e o Fundo Monetário Internacional (FMI) desembolsaram 273,7 mil milhões de euros, três vezes e meia o empréstimo a Portugal e mais do triplo do que foi emprestado à Irlanda. Na véspera da saída da Grécia do PAEF, o Dinheiro Vivo toma o pulso à economia helénica e compara com os momentos da saída de Portugal e da Irlanda.
A riqueza líquida das famílias gregas, de acordo com o Banco da Grécia, caiu 40% entre 2009 e 2017 em resultado das medidas de austeridades impostas pelo Governo de Atenas, desde cortes salariais na Função Pública ao aumento de impostos e cortes nas pensões. O PIB per capita caiu perto de 14% entre 2010 e 2017, enquanto em Portugal não foi além de 5,8% durante os anos da recessão.

A anatomia de uma “saída limpa”

A expressão “saída limpa” refere-se ao fim do programa de ajustamento sem qualquer apoio dos credores internacionais, seja através de um empréstimo “ponte” ou um programa “cautelar”, pronto a ser ativado em caso de necessidade, uma espécie de rede de segurança para o país. Mas tal como aconteceu em Portugal e na Irlanda, a Grécia quer a tal “saída limpa”, por motivos políticos e simbólicos, restaurando a soberania nacional depois de oito anos sob as orientações da troika.
Para Yiannis Mouzakis, analista do portal grego Macropolis, “tendo em conta que o Governo não vai obter mais financiamento do setor institucional, podemos considerar que se trata de uma saída limpa”. Mouzakis lembra, contudo, em declarações ao Dinheiro Vivo, que “as autoridades gregas assumiram compromissos para o período pós-programa, com medidas de alívio da dívida nos próximos dois anos sujeitas a condições políticas e orçamentais. Além disso, a Grécia comprometeu-se com metas específicas de excedentes primários durante décadas. O contexto em que as autoridades gregas irão operar é muito apertado e com a vigilância a que a Grécia estará sujeita não se coaduna com uma saída limpa.”
Olhando para os principais indicadores macroeconómicos, a Grécia apresenta um cenário misto: se no primeiro trimestre deste ano (dados mais atuais) o PIB estava a crescer 2,3% – mais do que Portugal quando saiu do programa e próximo da Irlanda – e o défice estava próximo de 1% do PIB, já o desemprego, o investimento e a dívida pública estão ainda em valores distantes e com pior desempenho, comparando com os parceiros europeus sujeitos a resgate.
É a dívida pública, que já vai em mais de 180% do PIB, que mais preocupa os credores e investidores internacionais. Em especial o FMI, que no último relatório anual sobre a economia grega, manifestou dúvidas sobre a sustentabilidade da dívida pública a longo prazo. Mas há um outro indicador que pode descansar, para já, os mais pessimistas: o saldo primário – que exclui os juros da dívida – apresenta sucessivos excedentes desde 2015, esperando-se que atinja os 2,9% do PIB este ano, um dos mais elevados da União Europeia. E aqui, a Grécia ganha tanto a Portugal como à Irlanda que apresentavam, à data da saída, saldos primários negativos.

Uma almofada muito confortável

Uma das “armas” do Governo de Atenas para reclamar uma saída limpa é a almofada financeira de 24,1 mil milhões de euros, que deverá cobrir as necessidades financeiras para os próximos 22 meses. “Se somar a esta almofada outros recursos que a Grécia tem disponíveis, tais como as reservas nas entidades públicas, o país tem financiamento garantido até 2022.
Este é um período substancial para proteger a Grécia de qualquer turbulência dos mercados e deve, em teoria, criar confiança suficiente sobre a capacidade de solvência e de financiamento do país quando as condições do mercado forem favoráveis”, defende Mouzakis. No momento da saída, Portugal tinha uma reserva de 15 mil milhões de euros suficiente para cobrir as necessidade de um ano. No caso irlandês a “almofada financeira” era de 20 mil milhões de euros, correspondente a 12,2% do PIB.
A verdade é que olhando para os juros das obrigações a 10 anos do Estado grego, ainda estão em valores acima dos registados para Portugal e para a Irlanda aquando da saída dos respetivos programas de ajustamento. No caso de Portugal, as yields a 30 de junho de 2014 situavam-se nos 3,57%, um pouco acima dos 3,47% das obrigações irlandesas. Os títulos de dívida grega de longo prazo rondam os 4,35%.
Mas se para Atenas o financiamento não vai ser problema, o mesmo não se pode dizer para os bancos. Com a saída do programa de ajustamento, ficam impedidos de darem as obrigações do Estado grego como colateral para transações de recompra com o Banco Central Europeu (BCE). A partir de 21 de agosto, os bancos sem colaterais elegíveis suficientes terão de recorrer aos empréstimos de emergência do Banco Central da Grécia para financiamento, pagando uma taxa a rondar 1,5%, enquanto no BCE a taxa de depósito era zero.

PIB teima em arrancar

Tal como a figura mitológica de Prometeus, a economia grega parece amarrada a uma pedra desde a chegada da troika em 2010. O ritmo de crescimento é lento e ainda não conseguiu recuperar para os níveis de há oito anos. O PIB está 21% abaixo de 2010. Tanto Portugal como a Irlanda começaram mais cedo a trajetória de recuperação e já ultrapassaram a criação de riqueza de 2010, com os irlandeses a recuperarem mais depressa e de forma mais robusta, muito também pela agressiva política fiscal para as multinacionais.
Mas não é a só o PIB que apresenta sinais anímicos. A parcela da população em risco de pobreza e exclusão social teima em não baixar dos 30%, sendo o terceiro valor mais elevado da UE, apenas atrás da Bulgária e da Roménia.
Também lenta está a recuperação do rendimento disponível das famílias que se mantém em valores negativos, tal como o consumo. Mais impressionantes são os dados do desemprego na Grécia. Perto de 20% da população ativa do país está sem emprego. A taxa de desemprego tem vindo lentamente a descer depois de ter atingido o pico em 2013, quando quase 30% das pessoas com idade para trabalhar estavam no desemprego. Tanto em Portugal como na Irlanda, a taxa de desemprego já está a níveis muito anteriores a 2010.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Reportagem na fábrica de bicicletas Órbita.
Maria João Gala / Global Imagens )

Sócios da Órbita procuram novo acionista

9_beer cerveja copo

Quebra do mercado chinês penaliza cerveja nacional

João Vieira Lopes, presidente da Confederação do Comércio e Serviços.
(Jorge Amaral/Global Imagens)

Vieira Lopes: “Metas do governo são realistas mas é preciso investimento”

Outros conteúdos GMG
Conteúdo TUI
Recessão grega três vezes mais destrutiva que em Portugal