Grécia

Sobe risco de eleições antecipadas na Grécia

Primeiro-ministro grego vai pedir um voto de confiança depois do seu apoiante de extrema-direita, e ministro da Defesa, ter abandonado o Executivo.

O primeiro-ministro grego, Alexis Tsipras, anunciou este domingo que vai pedir um voto de confiança no Parlamento depois de perder o apoio de parceiros na coligação devido a um diferendo em torno do nome da Macedónia, o que faz aumentar o risco de haver eleições antecipadas no país.

O ministro da Defesa, Panos Kammenos, demitiu-se hoje do governo após uma reunião com Tsipras esta manhã.

“Vou avançar imediatamente com o processo de renovar o apoio parlamentar” ao governo, afirmou hoje o primeiro-ministro grego.

A reunião desta manhã surge na sequência da aprovação pela Macedónia, na passada sexta-feira, de uma mudança de nome do país para República da Macedónia do Norte.

O diferendo com a Grécia em torno do nome Macedónia remonta a 1991 quando o país declarou a independência no curso da separação da antiga República da Jugoslávia. A Grécia tem argumentado que os macedónios eram um povo helénico. A Grécia tem impedido a entrada da Macedónia na NATO (Organização do Tratado do Atlântico Norte) devido à disputa.

Numa entrevista televisiva na passada quarta-feira, Tsipras afirmou estar confiante de que Kammenos iria continuar a apoiar o governo mas avisou que iria pedir um voto de confiança se o seu parceiro de extrema-direita abandonasse a coligação. Adiantou que, apesar de poder continuar a governar com minoria, “politicamente” seria um problema.

Em todo o caso, adiantou, haveria sempre lugar a eleições antecipadas depois do acordo com a Macedónia ser ratificado pelo Parlamento grego.

Com Bloomberg

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje

Página inicial

LUÍS FORRA/LUSA

Dia 7. Patrões e motoristas divididos por 50 euros

Motoristas em greve junto à saída da sede da Companhia Logística de Combustíveis (CLC), em Aveiras de Cima, durante a greve por tempo indeterminado dos motoristas de matérias perigosas e de mercadorias, Azambuja, 16 de agosto de 2019. Portugal está, desde sábado e até às 23:59 de 21 de agosto, em situação de crise energética, decretada pelo Governo devido a esta paralisação, o que permitiu a constituição de uma Rede de Emergência de Postos de Abastecimento (REPA), com 54 postos prioritários e 320 de acesso público. TIAGO PETINGA/LUSA

Greve dos motoristas: atenções voltadas para plenário de trabalhadores

Outros conteúdos GMG
Sobe risco de eleições antecipadas na Grécia