indústria automóvel

Vendas de automóveis caem na China em janeiro e prolongam crise do setor

Trabalhador numa fábrica da Hyundai em Cangzhou, na província de Hebei, norte da China. (Photo by STR / AFP) / China OUT
Trabalhador numa fábrica da Hyundai em Cangzhou, na província de Hebei, norte da China. (Photo by STR / AFP) / China OUT

A China é o maior mercado automóvel do mundo

As vendas de automóveis na China caíram, em janeiro passado, à medida que o surto de um novo coronavírus paralisou o país, prolongando a crise num setor em contração nos últimos dois anos.

As vendas de veículos utilitários desportivos, ‘minivans’ e ‘sedans’ no maior mercado automóvel do mundo caíram 20,2%, em relação ao mesmo mês no ano anterior, para 1,6 milhão de unidades, segundo a Associação Chinesa de Fabricantes de Automóveis.

“As empresas estão sob enorme pressão”, admitiu a Associação em comunicado.

A indústria sofreu, assim, o impacto da decisão de Pequim de prolongar o feriado do Ano Novo Lunar, que este ano calhou em 24 de janeiro, visando evitar a propagação do vírus, designado Covid-19, e que ditou o encerramento de fábricas e concessionárias.

Em 2019, as vendas de automóveis caíram pelo segundo ano consecutivo na China, à medida que a guerra comercial com Washington e a desaceleração da economia chinesa afetaram a confiança do consumidor.

“No curto prazo, a produção e as vendas de automóveis serão muito afetadas”, previu a associação.

“O sistema de fornecimento de componentes será também interrompido”, advertiu ainda.

A queda nas vendas é um golpe para as fabricantes globais, cujo aumento das receitas depende do mercado chinês, face a crescimentos anémicos nos Estados Unidos e na Europa.

A China concentra 27% da produção mundial de automóveis, face a 7% em 2003, quando enfrentou um surto de pneumonia atípica. O encerramento de fábricas no país constitui assim um entrave na cadeia de produção global de componentes automóveis.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
lisboa casas turismo salarios portugal

Turismo em crise já pensa no day after

O ministro da Economia, Pedro Siza Vieira. TIAGO PETINGA/LUSA

Governo estima que mais de um terço dos empregados fique em lay-off

Mário Centeno, Ministro das Finanças.
Fotografia: Francois Lenoir/Reuters

Folga rara. Custo médio do petróleo está 10% abaixo do previsto no Orçamento

Vendas de automóveis caem na China em janeiro e prolongam crise do setor