CEO do Showroomprive: “Em 2015, teremos pico de crescimento ainda maior em Portugal”

Depois de arrancar na Holanda com o pagamento através de bitcoin, uma das mais populares e valiosas moedas virtuais, a loja de vendas privadas na internet, Showroomprive, segue para França e depois chega a Portugal. Oferecer o que há de mais avançado em termos de tecnologia ao consumidor português é o objetivo deste lançamento, segundo Thierry Petit, CEO Showroomprive.

Este é também uma das formas de melhorar os resultados positivos que a empresa tem registado desde que chegou a Portugal, em setembro de 2012. Em dezembro
do mesmo ano a Showroomprive finalizou o mês com quatro milhões de euros de
faturação. O ano de 2013 fechou com um milhão de sócios e com e com uma faturação de 10
milhões de euros.

Para este ano, a empresa
prevê uma faturação global que vai dos 480 aos 500 milhões
de euros, o que supõe um crescimento de 40% aproximadamente e um lucro entre os 4% e 5%.

Ler também: Showroomprive. Aqui já pode pagar em bitcoins

Portugal será responsável
por este crescimento, tendo em conta que os 20% da faturação
global é gerida fora de França (em Portugal, Espanha, Itália,
Inglaterra, Polónia, Portugal e Holanda) e que no ano passado
a empresa faturou 10 milhões em Portugal. “Isto significa que quase 3% da
nossa faturação foi organizada neste mercado. E, considerando que
Portugal conta com aproximadamente 10 milhões e meio de habitantes,
os dados são extremamente positivos”, diz Thierry Petit.

“Embora não possa
adiantar dados concretos, o peso de Portugal seguirá a crescer
dentro de Showroomprive, isto tanto na faturação como também no
investimento”, reforça o CEO da empresa.

“O mobile commerce teve um papel ‘protagonista’ no crescimento da
Showroomprive nos últimos 12 meses em Portugal, e com a penetração
do smartphone cada vez maior neste país, estamos seguros de que em
2015 iremos ter um pico de crescimento continuado, maior em Portugal
graças às compras feitas através do smartphone e tablet”, prevê
Thierry Petit.

A Showroomprive
especializou-se em oferecer às “digital women” portuguesas, um
universo de produtos de acordo com as suas necessidades, gostos e
desejos, de marcas reconhecidas que encontram em apenas um click, e
com descontos que vão entre os 30% aos 70% no que diz respeito ao
preço original.

Os produtos de maior êxito são a artigos de moda e os acessórios para
mulher, criança e homem, calçado (70% das vendas correspondem a
calçado prêt- a-porter), cosméticos e produtos de beleza; artigos
de decoração e equipamentos para casa.

Relativamente ao perfil do cliente português,

Thierry Petit revela: “Portugal tem-nos
ensinado muito, mais do que esperávamos. Os consumidores portuguesas são
os que entenderam rapidamente o modelo de plataforma de vendas
privadas online.”

Os utilizadores da plataforma é maioritariamente feminina e muito maior do que noutros países: em Portugal, 81% dos sócios são mulheres. A frequência de visitas e de
compra é muito elevada. “Pode ser que a compra média não seja tão
alta como noutros países, mas os sócios de Showroomprive Portugal
estão atentos às campanhas diárias, consultam, comprovam as
marcas, os materiais, as cores e depois decidem comprar quando existe
algo que os interessa ou necessitam para a família”, diz o CEO da empresa.

Em
Showroomprive há uma grande percentagem de mães e para elas as compras familiares são as mais
importantes: “adquirem brinquedos, roupa e sapatos para os filhos, um jersey e umas calças para o marido/namorado, e algum
capricho para elas”, reforça o responsável.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
7. Aeroporto de Londres Heathrow

Oficial. Portugal fora do corredor turístico do Reino Unido

O ministro dos Negócios Estrangeiros, Augusto Santos Silva. ANTÓNIO PEDRO SANTOS/LUSA

Decisão do Reino Unido é “absurda”, “errada” e “desapontante”, diz Santos Silva

O primeiro ministro, António Costa.     MANUEL DE ALMEIDA / POOL/LUSA

António Costa admite despedimentos na TAP com menos rotas e aviões

CEO do Showroomprive: “Em 2015, teremos pico de crescimento ainda maior em Portugal”