automóveis

Desde 2011 que não se vendiam tantos carros

O ano 2014 foi de recuperação de poder de compra e de regresso à aquisição de bens duradouros, que há muito estava adiada. O melhor exemplo desta retoma é o sector automóvel, que, depois de tremer perante a crise, fechou 2014 a crescer 36,1% em relação ao ano anterior, pelo segundo ano consecutivo. A merca mais vendida voltou a ser a Renault, com uma subida de 33%.

No total, durante o ano passado foram vendidos 172 390 veículos automóveis em Portugal, o melhor valor desde 2011, o ano do início da crise e da chegada da troika. Só carros ligeiros – ligeiros de passageiros e comerciais ligeiros -, foram vendidas 169 026 unidades, ou seja, mais 36,2%. A restante fatia, pertencente aos veículos pesados, cresceu 31,1%, com 3364 vendas registadas, refere a ACAP.

A Renault mantém-se a marca preferida dos consumidores portugueses, com 16 319 veículos vendidos, mais 33% do que há um ano. Logo atrás veio a Volkswagen (13 873) e a Peugeot (13 177). As marcas de luxo ocupam a quarta e a quinta posições no ranking das mais vendidas: a BMW vendeu 10 617 veículos e a Mercedes 10 206.

O maior aumento de vendas relativamente ao ano passado pertenceu à Dacia, que vendeu 3433 carros, mais 91% do que tinha conseguido em 2013. O aumento foi igualmente impressionante na Seat, que viu as vendas crescerem 77,2%.

Este foi o segundo ano consecutivo de melhoria do mercado automóvel. Ainda assim, o número de vendas mantém-se distante da média dos últimos 15 anos – 253 mil veículos vendidos. Espera-se que o motor da retoma não se “afogue” em 2015.

Veja aqui uma infografia sobre o tema,

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
João Lousada no deserto de Omã como astronauta análogo, em 2018

João Lousada. Conheça o primeiro português a liderar a Estação Espacial

João Lousada no deserto de Omã como astronauta análogo, em 2018

João Lousada. Conheça o primeiro português a liderar a Estação Espacial

Fotografia: REUTERS/Henry Nicholls - RC122C9DD810

Cartas de Boris Johnson causam surpresa e perplexidade em Bruxelas

Outros conteúdos GMG
Desde 2011 que não se vendiam tantos carros