Equipa de Vítor Bento confirma renúncia aos cargos no Novo Banco

A equipa de gestão do Novo Banco liderada por Vítor Bento confirmou hoje, em comunicado, que durante a semana apresentou ao Fundo de Resolução e ao Banco de Portugal a intenção de renunciar aos cargos desempenhados na administração da entidade.

“Em face da especulação mediática sobre o assunto, confirmamos que durante esta semana comunicámos ao Fundo de Resolução e ao Banco de Portugal a intenção de renunciar aos cargos desempenhados na administração do Novo Banco, dando tempo para que pudesse ser preparada uma substituição tranquila”, lê-se no documento assinado por Vítor Bento (presidente), José Honório (vice-presidente) e João Moreira Rato (administrador financeiro).

Leia aqui posição de Banco de Portugal: BdP. Administração do Novo Banco será conhecida “logo que concluídos os procedimentos prévios exigíveis”

“Gostaríamos de salientar que não saímos em conflito com ninguém, mas apenas porque as circunstâncias alteraram profundamente a natureza do desafio com base no qual aceitáramos esta missão em meados de julho”, sublinham os responsáveis, que assumiram funções há apenas dois meses.

E acrescentam: “Entretanto, contribuímos para a estabilização do banco, pusemos em marcha as ações necessárias para a normalização e melhoria do seu funcionamento e lançámos a elaboração de um plano de médio prazo. E foi já encetado um processo para a rápida venda do banco, gerido pelo Fundo de Resolução e pelo Banco de Portugal”.

Devido às razões acima enunciadas, os três gestores entenderam “ser agora oportuno passar o testemunho a uma outra equipa de gestão”.

Em jeito de despedida, Vítor Bento, José Honório e João Moreira Rato dizem acreditar que “o Novo Banco é uma grande instituição, com gente muito dedicada, clientes leais e uma atividade de negócio que pode dar um importante contributo para a recuperação da economia portuguesa”.

No dia 03 de agosto, o BdP tomou o controlo do Banco Espírito Santo (BES), depois de o banco ter apresentado prejuízos semestrais de 3,6 mil milhões de euros, e anunciou a separação da instituição em duas entidades distintas.

No chamado banco mau (‘bad bank’), um veículo que mantém o nome BES mas que está em liquidação, ficaram concentrados os ativos e passivos tóxicos do BES, assim como os acionistas.

No ‘banco bom’, o banco de transição que foi chamado de Novo Banco, ficaram os ativos e passivos considerados não problemáticos.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Maria Jo‹ão Gala / Global Imagens

Desemprego já caiu 33% desde o pico da crise em 2013

Lamego foi a autarquia que mais agravou o endividamento. Fotografia:
Maria Jo‹ão Gala / Global Imagens

Passivo das câmaras baixou, mas há 30 que se endividaram mais

Boa parte do valor criado pelo turismo está a ir para fora do país, via plataformas de reservas online. Fotografia: Diana Quintela/ Global Imagens

Hoteleiros contra preços praticados pela Booking

Outros conteúdos GMG
Conteúdo Patrocinado
Equipa de Vítor Bento confirma renúncia aos cargos no Novo Banco