Erro na concessão da STCP pode custar mais 2,9 milhões de euros

O governo detectou um erro no caderno de encargos da STCP que poderá exigir uma revisão em alta do valor a pagar pelo futuro concessionário. E a perda face ao que agora se prevê é elevada.

Em causa está uma das componentes da remuneração da futura subconcessionária da Sociedade de Transportes Coletivos do Porto (STCP) e que poderá exigir mais 2,9 milhões de euros ao concessionário.

No caderno de encargos que elaborou, o ministério da Economia baseou a remuneração daquela entidade em duas componentes, uma fixa em função da produção e uma outra em percentagem da receita tarifária.

No entanto, quando entregou os números ago governo, a STCP contabilizou os quilómetros totais e não os quilómetros comerciais, o que gerou uma diferença de 14 cêntimos. Ou seja, de acordo com fonte oficial do ministério da Economia, que pondera corrigir o erro, a remuneração fixa poderá passar de 1,58 euros, o valor atual, para 1,72 euros.

“Estamos a ponderar uma alteração no valor da componente fixa o que poderá representar um custo de cerca de 2,9 milhões de euros ao ano”, justifica a mesma fonte oficial, adiantando que é importante perceber, agora, se o erro prejudica o “equilíbrio orçamental da concessão”.

Ainda relativamente à STCP, o governo também está a ponderar a aquisição de veículos com mais de sete anos. A regra diz que devem ser adquiridos com cinco anos, mas “nºao existe mercado de equipamento disponível” com essa idade.

Para já sabe-se que existem dez interessados nesta concessãk e que levantaram o caderno de encargos. Ao todo, já fizeram 1200 perguntas ao Executivo, razão que poderá também levar a um aumento do prazo de entrega das propostas, pelo menos por mais 30 dias. No entanto, fonte oficial assegura que até ao final do ano deverá ser conhecida uma decisão.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
lisboa casas turismo salarios portugal

Turismo em crise já pensa no day after

O ministro da Economia, Pedro Siza Vieira. TIAGO PETINGA/LUSA

Governo estima que mais de um terço dos empregados fique em lay-off

Mário Centeno, Ministro das Finanças.
Fotografia: Francois Lenoir/Reuters

Folga rara. Custo médio do petróleo está 10% abaixo do previsto no Orçamento

Erro na concessão da STCP pode custar mais 2,9 milhões de euros