Hotel Albatroz

Família Simões de Almeida vende Hotel Albatroz a empresário russo

Depois de mais de quatro décadas, o Hotel Albatroz já não pertence à família Simões de Almeida, confirmou o Dinheiro Vivo junto de fonte do hotel, que não adiantou a identidade do novo proprietário. No entanto, ao que o Dinheiro Vivo apurou, foi o empresário russo Leonid Ranchinskiy que comprou o hotel de charme da baía de Cascais.

A operação, que terá sido formalizada há três ou quatro semanas, já foi comunicada à equipa, que está a funcionar sob novas orientações. Frederico Simões de Almeida, filho de Carlos e neto de António, o membro da família que adquiriu inicialmente o grupo, deverá manter-se como diretor-geral do hotel, apurou ainda o Dinheiro Vivo.

Do empresário russo pouco se sabe, até porque esta será uma operação discreta, “sem alaridos”, pelo que não foi possível confirmar o valor da venda. Leonid Ranchinskiy é gestor da Explorex Overseas, empresa de consultoria para negócios sediada na Madeira, e detém uma participação de 2,09% no Banco BIG. O empresário russo terá também comprado recentemente uma quota no restaurante Porto de Santa Maria, no Guincho.

Contactada pelo Dinheiro Vivo, a Câmara Municipal de Cascais não quis fazer qualquer comentário sobre o assunto.

O hotel está nas mãos da família Simões de Almeida desde a década de 70, primeiro com António, depois com Carlos e, finalmente, Frederico. Mas a história do palacete, hoje reconhecido como um dos melhores pequenos hotéis do mundo e parte da cadeia “Small Leading Hotels of the World”, já vem muito de trás.

Foi ainda no século XIX, em 1873, que o Duque de Loulé mandou o arquiteto Ávila projetar o edifício, que serviu de residência particular a várias famílias até 1963, altura em que foi convertido em estalagem.

Mais tarde, em 1983, as cheias atingiram os concelhos de Lisboa, Loures e Cascais, e após trabalhos extensos de remodelação e ampliação, a estalagem foi transformada num hotel, já a cargo da família Simões de Almeida.

Em 2003, o grupo juntou ao espólio outro edifício de charme: a Casa D. Nuno, mais conhecida por “Casa Amarela”, mandada construir em 1922 por D. Nuno Miguel d”Almada e Lancastre, que não tinha filhos e doou a casa ao seu afilhado Bernardo Manuel Pinheiro Espírito Santo Silva. O edifício manteve-se na família Espírito Santo até 2000, tendo sido vendido primeiro a estrangeiros e, mais tarde, ao Hotel Albatroz, que adquiriu, pela mesma altura, a rua que dava acesso a este palacete, a Travessa da Conceição.

Hoje, o grupo forma o The Albatroz Collection e divide-se em três hotéis. O Bayside Villa, na Praia dos Pescadores, o Seafront Hotel, anteriormente designado Hotel Albatroz Cascais, e o Beachside Palace, todos de cinco estrelas e todos localizados na baía de Cascais.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
Indústria do calçado. 
Fotografia: Miguel Pereira/Global Imagens

Portugal regressou ao Top 20 dos maiores produtores de calçado

Sonae Industria

Ações da Sonae Indústria e da Sonae Capital disparam após OPA da Efanor

Alexandre Meireles, presidente da ANJE. Fotografia:  Igor Martins / Global Imagens

ANJE teme que 2021 traga “grande vaga” de falências e desemprego

Família Simões de Almeida vende Hotel Albatroz a empresário russo