PT

Freitas do Amaral quer investigação da PGR à fusão da PT com a OI

O jurista Diogo Freitas do Amaral apelou hoje à Procuradoria-Geral da República para que investigue o processo de fusão da PT com a OI para verificar se não foram "cometidas ilegalidades".

“Apelo à PGR para que tome rapidamente conta deste processo e veja se até agora não foram cometidas ilegalidades”, disse o professor de direito num debate intitulado “Resgatar a PT, uma emergência”.

Na segunda-feira, personalidades como Bagão Félix, Francisco Louçã, Freitas do Amaral e Manuel Carvalho da Silva subscreveram um “apelo para resgatar a PT”, em que exigem “das autoridades políticas e públicas uma atuação intensamente ativa” relativamente à empresa.

Freitas do Amaral disse aos jornalistas, à margem do debate, que o Governo deve esclarecer o país sobre a forma como foi feita a fusão entre a PT e a OI, nomeadamente se foi acautelada a concessão da exploração da rede fixa de telefone, enquanto bem público, pois de contrário “a fusão foi nula”.

No debate, o jurista afirmou que, caso esta situação não tenha sido acautelada, “a OI está a usar ilegalmente a concessão e não a pode trespassar”, sem um decreto-lei do Governo.

“Isto não é um negócio privado”, disse no debate.

Freitas do Amaral salientou a importância estratégica da PT e considerou que, por isso, não deveria ser alienada.

Defendeu que para evitar a sua venda, “devia nacionalizar-se um terço da empresa, se fosse preciso, ainda que mais tarde se voltasse a privatizar, para evitar que fosse parar a certas mãos”.

Francisco Gonçalves, da Comissão de Trabalhadores da PT, que assistiu ao debate, defendeu que se deve “recomprar a PT para salvar a empresa e relançá-la enquanto grupo de telecomunicações a partir de Portugal”.

O antigo ministro dos transportes e comunicações João Cravinho, outro dos oradores do debate promovido pelo Centro de Estudos Sociais (CES), também defendeu a importância estratégica da PT, que considerou de “interesse nacional” e defendeu que o direito de veto da PT SGPS ainda pode ser exercido.

“Não se pode fazer este negócio à revelia do Estado”, disse o ex-governante socialista.

O coordenador do CES em Lisboa, Manuel Carvalho da Silva, que moderou o debate, considerou que o Governo tem a obrigação de esclarecer o que se passa em torno deste negócio “porque não se trata de uma empresa privada qualquer”.

A Oi e a PT anunciaram a fusão dos seus ativos em outubro do ano passado. Este ano, no entanto, o acordo foi abalado após as notícias sobre a operação de compra de dívida da RioForte, ‘holding’ do Grupo Espírito Santo (GES), pela PT.

A polémica em torno da operação levou, no início do mês passado, à renúncia de Zeinal Bava, que ocupava a presidência da Oi desde junho de 2013.

A multinacional do setor das telecomunicações ‘Altice’, que detém a portuguesa Cabovisão, anunciou, entretanto, uma oferta de 7.025 milhões de euros para a compra dos ativos PT fora de África.

A empresária angolana Isabel dos Santos e a Sonae manifestaram quarta-feira disponibilidade para “integrar uma solução” para a Portugal Telecom (PT) que promova “a defesa do interesse nacional”.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
Turistas passeiam na baixa de Quarteira dia 19 de março de 2020. (LUÍS FORRA/LUSA)

Desemprego no Algarve triplica em maio por quebras no turismo

(MANUEL DE ALMEIDA/LUSA)

OE Suplementar: Oposição levou 263 propostas a votação, passaram 35

O primeiro-ministro, António Costa (E), conversa com o ministro de Estado e das Finanças, João Leão (D), durante o debate e votação da proposta do orçamento suplementar para 2020, na Assembleia da República, em Lisboa, 17 de junho de 2020. MANUEL DE ALMEIDA/LUSA

O Orçamento Suplementar em 5 minutos

Freitas do Amaral quer investigação da PGR à fusão da PT com a OI